Intervenção do profissional de saúde mental em situações de perda e luto no Brasil

Autores

  • Gabriela Casellato Brown Ferreira Santos Quatro Estações – Instituto de Psicologia Intervenções Psicológicas em Emergências Rua Dr. Melo Alves, 89 – Conj. 202 – Jardim Paulista 01417-010 – São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.9789/2525-3050.2017.v2i3.116-137

Resumo

Luto é tido pela Psicologia como uma resposta natural e esperada diante de rupturas de vínculos. No entanto, considera-se que 10 a 25% dos enlutados  da população mundial tendem a apresentar reações de intensidade, duração  e funcionalidade consideradas comprometidas, desenvolvendo um quadro denominado “luto complicado”. Ações preventivas, suportivas e de tratamento foram empreendidas nas últimas duas décadas no Brasil e em outros países.  A partir de uma revisão bibliográfica foram identificadas as diferentes possibilidades de intervenções realizadas no Brasil e suas funções específicas no suporte psicológico ao enlutado. Uma pesquisa em bases virtuais de dados entre 2007 e 2017 demonstra que a maioria das intervenções psicológicas com enlutados ali mencionadas aconteceram no setting hospitalar e que os atendimentos em psicoterapia se deram com base em diferentes abordagens teóricas. Observa-se ainda nessas bases uma escassez de artigos sobre a eficácia das intervenções psicológicas com enlutados, aspecto que aponta para a necessidade de ampliação das pesquisas acadêmicas sobre esta questão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Casellato Brown Ferreira Santos, Quatro Estações – Instituto de Psicologia Intervenções Psicológicas em Emergências Rua Dr. Melo Alves, 89 – Conj. 202 – Jardim Paulista 01417-010 – São Paulo

Doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Brasil. Cofundadora, professora e supervisora do Instituto de Psicologia Quatro Estações. Organizadora dos livros “Dor silenciosa ou dor silenciada? Perdas e lutos não reconhecidos por enlutados  e sociedade” (Polo Books, 2013) e “O Resgate da Empatia: suporte ao luto não reconhecido” (Summus, 2015). Autora de diversos capítulos em livros sobre o tema do luto e consultora ad hoc das revistas de Psicologia da USP e PUC-Campinas e da Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia.

Referências

ARIÈS, Philippe. O homem diante da morte. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977a. 2. Vols.

____. História da morte no Ocidente. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977b. 312p.

ARRUDA-COLLI, Marina Noronha Ferraz de et al. Intervenção psicológica com familiares enlutados em oncologia pediátrica: revisão da literatura. Psicologia: teoria e prática. São Paulo, vol. 17, n. 2, p. 20-35, Ago, 2015.

BALTAZAR, Danielle Vargas, GOMES, Rafaela Ferreira de Souza e SEGAL, Viviane Lajter. Construção de vínculo e possibilidade de luto em Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal. Revista SBPH. Rio de Janeiro, vol. 17, n. 1, p. 88-98, Jun, 2014.

BASSO, Lissia Ana e WAINER, Ricardo. Luto e perdas repentinas: contribuições da Terapia Cognitivo-Comportamental. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas. Rio de Janeiro, vol.7, n. 1, p. 35-43, Jun, 2011.

BATISTELLI, Fátima Maria Vieira. Caminhos na elaboração de um luto. Jornal de Psicanálise. São Paulo, vol. 43, n. 79, p. 155-162, Dez, 2010.

BOWLBY, John. Forty-four juvenile thieves: their characters and home-life. International Journal of Psychoanalysis, v. 25, p. 19-53, 1944.

____. The study and reduction of group tensions in the family. Human Relations, v. 2, p. 123-8, 1949.

____. Attachment and loss: Attachment. New York: Basic Books, v. I, 1969. [Edição Brasileira: BOWLBY, John. Apego e Perda: a natureza do vínculo. São Paulo: Martins Fontes, 2002].

____. Attachment and loss: Separation: anxiety and anger. New York: Basic Books, v. II, 1973. [Edição Brasileira: BOWLBY, John. Apego e perda: separação, angustia e raiva. São Paulo: Martins Fontes, 2004a].

____. Child care and the growth of love. London: Penguin Books, 1976. 256p.

____. Attachment and loss: Loss: sadness and depression. New York: Basic Books, v. III, 1980. [Edição Brasileira: BOWLBY, John. Apego e perda: tristeza e depressão. São Paulo: Martins Fontes, 2004b]

____. Cuidados Maternos e Saúde Mental. São Paulo: Martins Fontes, 1981. 239p.

____. Formação e rompimento dos laços afetivos. São Paulo: Martins Fontes, 1982. 228p.

____. A secure base: parent-child attachment and healthy human development. New York: Basic Books, 1988. 416p.

BRAZ, Mariana Sarkis; FRANCO, Maria Helena Pereira. Profissionais Paliativistas e suas Contribuições na Prevenção de Luto Complicado. Psicologia: Ciência e profissão. Brasília,

v. 37, n. 1, p. 90-105, Jan, 2017. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141498932017000100090&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 12/05/2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001702016.

BREEN, Lauren J; PENNAN, Emma L.; PRIGERSON, Holly G.; HEWITT, L. Y. Can Grief be a Mental Disorder?: An Exploration of Public Opinion. The Journal of Nervous and Mental Disease, v. 203, n. 8, p. 569-573, August, 2015.

BROMBERG, Maria Helena Pereira Franco. Psicoterapia em situações de perda e luto. Campinas: Editorial Psy, 1995. 160p.

CARVALHO, Fernanda Torres de e MEYER, Laura. Perda gestacional tardia: aspectos a serem enfrentados por mulheres e conduta profissional frente a essas situações. Boletim de Psicologia, vol. 57, n. 126, p. 33-48, Jun, 2007.

CASELLATO, Gabriela (org.). Dor Silenciosa ou dor silenciada? Perdas e lutos não reconhecidos por enlutados e sociedade. São Paulo: Ed. Polo Books, 2013. 158p.

____. O Resgate da Empatia: suporte psicológico ao luto não reconhecido. São Paulo: Summus Editorial, 2015. 264p.

____; FRANCO, Maria Helena; MAZORRA, Luciana; TINOCO, Valéria. Luto Complicado: considerações para a prática. In: SANTOS, Franklin Santana (org.). A Arte de morrer: visões plurais. São Paulo: Comenius, v. 2, 2009. 272p.

CORRÊA, Diogo Arnaldo. Do luto ao sentido: aportes da logoterapia no espaço psicoterapêutico. Psicologia: teoria e prática. São Paulo, vol. 14, n. 3, p. 180-188, Dez, 2012.

COSTA, Mônica; MOTA, Catarina Pinheiro; MILHEIRO, Cláudia. Angústia de uma perda - caso Maria: uma abordagem terapêutica. Psicologia Clínica. [online] vol. 25, n. 2, p. 197-213, Jun. 2013.

DAVEL, Alzira da Penha Costa e SILVA, Daniela Reis. O processo de luto no contexto do API- ES: aproximando as narrativas. Pensando Famílias, vol. 18, n. 1, p. 107-123, Jun., 2014.

DOKA, Keneth. Introduction. In: DOKA, Keneth. Disenfranchiesed Grief: New Directions, Challenges and Strategies for practice. Illinois: Research Press, p. 5-20, 2002a.

____; MARTIN, T. How we Grieve: Culture, Class and Gender. In: DOKA, Keneth (org.). Disenfranchised Grief: New Directions, Challenges and Strategies for Practice. Illinois: Research Press, p. 337-347, 2002b.

ESTHER, Vera. A dor do luto e seu acolhimento psicanalítico. Estudos de Psicanálise [online]. n. 35, p. 151-165, Jul, 2011.

FORTE, A.; HIL, L.; M. PAZDER. & R. FEUDTNER, C. Bereavement care intervention: a systematic review. BMC Palliative Care, vol. 26, n. 3, jul, 2004.

FRANCO, Maria. Helena. Pereira. Porque estudar luto na atualidade. In: . Formação e rompimento de vínculos: o dilema de perdas na atualidade. São Paulo: Summus, p. 17-42, 2010.

____. O luto como experiência vital. Disponível em <http://www.4estacoes.com/pdf/textos_saiba_mais/luto_como_experiencia_vital.pdf>. Acesso em 13/05/2017.

FREUD, Sigmund. Mourning and melancholia. The Standard Edition of the Complete Psychological Works of Sigmund Freud. Londres: Hogard, 1953 [1917].

GIBRAN, Renata Cristina Ribeiro e PERES, Rodrigo. Luto: questões de manejo técnico na clínica psicanalítica. Revista da SPAGESP (online), vol. 14, n. 2, p. 73-85, 2013.

KERSTING A.; BRATHLER E.; GLAESMER H; WAGNER B. Prevalence of complicated grief in a representative population-based sample. J. Affect Disorders 131 (1-3), p. 339-343, jun, 2011.

KISSANE, David W.; PARNES, Francine (ed.). Bereavement Care for Families. New York; London: Routledge, 2014. 294p.

KLASS D.; WALTER, T. Processes of grieving: how bonds are continued. In: STROEBE, Margareth; HANSSON, Robert; STROEBE, Wolfgang; SCHUT, Henk (org.). Handbook of Bereavement Research: consequences, coping and care. Washington: American Psychological Association, p. 431-448, 2001.

LABATE, Renata Curi e BARROS, Gisele Curi de. Uma possibilidade de escuta a uma família enlutada: ressignificando a experiência de perda. Revista da SPAGESP, vol. 7, n. 1, p. 50-57, Jun, 2006. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1677-29702006000100007>. Acesso em 19/04/2017.

LICHTENTHAL W, et al. Mental Health Servicer for Parents Who Lost a Child to Cancer: If We Build Them, Will They Come?. Journal of Clinical Oncology. New York, vol. 33, n. 20, p. 2246- 2253, july 2015.

LIMA, Sabrina e FORTIM, Ivelise. A escrita como recurso terapêutico no luto materno de natimortos. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental. São Paulo, v. 18, n. 4, p. 771-788, 2015. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S141547142015000400771&lng=en&nrm=iso>. Acessado em 12/05/2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/14154714.2015v18n4p771.12

LINDEMANN, Erich. The Symptomatology and management of acute grief. American Journal of Psychiatry, v. 101, nº 2, September, p. 141-148, 1944.

LOMBARDO, L. et al. Bereavement and complicated grief: towards a definition of Prolonged Grief Disorder for DSM-5. Rivista di Psichiatria, 49 (3), p. 106-114, May-Jun, 2014. DOI: 10.1708/1551.16903.

MUZA, Júlia Costa; SOUSA, Erica Nascimento de; ARRAIS, Alessandra da Rocha e IACONELLI, Vera. Quando a mortevisita a maternidade: atenção psicológica durante a perda perinatal. Revista Psicologia: Teoria e Prática. vol. 15, n. 3, p. 34-48, Dez, 2013.

NADEAU, Janice. Families making sense of death. Califórnia: Sage Publications, 1997. 289p.

NEIMEYER, Robert (ed.). Meaning Reconstruction and the experience of loss. Washington DC: American Psychological Association, 2001. 359p.

OLIVEIRA, Érika Arantes de; SANTOS, Manoel Antônio dos e MASTROPIETRO, Ana Paula. Apoio psicológico na terminalidade: ensinamentos para a vida. Psicol. Estud. Maringá, v. 15, n. 2, p. 235-244, Jun, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S141373722010000200002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 12/05/2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722010000200002.

PARKES, Colin Murray. Evaluation of bereavement Services. Journal of Preventive Psychiatry

(2), p. 179-188, 1981.

____. Luto. Estudos sobre a perda na vida adulta. São Paulo: Summus, 1998. 290p.

____. A Historical Overview of the Scientific Study of Bereavement In: STROEBE, Margareth; HANSSON, Robert; STROEBE, Wolfgang; SCHUT, Henk (org.). Handbook of Bereavement Research: consequences, coping and care. Washington: American Psychological Association, p. 25-46, 2001.

____. Symposium on Complicated Grief. OMEGA: Journal on Death and Dying. New York, v. 52, n 1, p 1-7, 2005-2006a.

____. Amor e Perda: as raízes do luto e suas complicações. São Paulo: Summus, 2009. 448p.

____. (ed.). Responses to Terrorism: Can psychosocial approaches break the cycle of violence? UK; New York: Routledge Hove, 2014. 280p.

____. The Price of Love: the select works of Colin Murray Parkes. Londres: Routledge, 2015a.

____. The Price of Love: The Selected Works of Colin Murray Parkes. UK & New York: Routledge, Hove, 2015b.

____; LAUNGANI Pittu & YOUNG, Bill. (ed.). Death and Bereavement Across Cultures.

London; NY: Routledge, 2015c [1996]. 272p.

PASCOAL, Melissa. Trabalho em grupo com enlutados. Psicol. Estud. Maringá, v. 17, n. 4, p. 725-729, Dec, 2012. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S141373722012000400019&lng=en&nrm=iso>. Acessado em 12/05/2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S141373722012000400019.

RANDO, Therese A. Theories of complicated mourning: a historical review in treatment of complicated mourning. Champaign: Research Press, 1993. 751p.

SCHMIDT, Beatriz; GABARRA, Letícia Macedo; GONCALVES, Jadete Rodrigues. Intervenção psicológica em terminalidade e morte: relato de experiência. Paidéia (Ribeirão Preto). Ribeirão Preto, v. 21, n. 50, p. 423-430, Dec. 2011. Disponível em <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103863X2011000300015&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 12/05/2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0103863X2011000300015.

SCHUT, Henk & STROEBE, Margareth. Interventions to Enhance Adaptation to Bereavement. Journal of Palliative Medicine. Volume 8, Supplement 1, 2005, p 141-148.

SILVA, Adriana Cardoso de Oliveira e NARDI, Antonio Egidio. Luto pela morte de um filho: utilização de um protocolo de terapia cognitivo-comportamental. Revista de psiquiatria do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, v. 32, n. 3, p. 113-116, 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010181082010000300008&lng=en&nrm=iso>. Acessado em 12 de maio de 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082010000300008.

____e____. Terapia cognitivo-comportamental para luto pela morte súbita de cônjuge. Revista de Psiquiatria Clínica. São Paulo, v. 38, n. 5, p. 213- 215, 2011a. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S010160832011000500010&lng=en&nrm=iso>. Acessado em 12/05/2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S010160832011000500010.

____e____. Terapia cognitivista-comportamental para perda gestacional: resultados da utilização de um protocolo terapêutico para luto. Revista de Psiquiatria Clínica. São Paulo, v. 38, n. 3, p. 122-124, 2011b. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S010160832011000300007&lng=en&nrm=iso>. Acessado em 12/05/2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832011000300007

SILVA, Michelle Karina; ULHOA, Arthur Pizani. A Construção do Caso Clínico na Prática Hospitalar: algumas Reflexões Sobre Luto e Toxicomania. Psicologia: Ciência e profissão. Brasília, v. 35, n. 2, p. 503-514, June, 2015. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S141498932015000200503&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 12/05/2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-370300292014

SOUZA, Airle Miranda de; MOURA, Danielle do Socorro Castro e CORREA, Victor Augusto Cavaleiro. Implicações do pronto-atendimento psicológico de emergência aos que vivenciam perdas significativas. Psicologia: Ciência e profissão. Brasília, v. 29, n. 3, p. 534- 545, 2009. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414- 98932009000300008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 12/05/2017. DOI: http://dx.doi. org/10.1590/S1414-98932009000300008

STEVENSON-HINDE, Joan; MARRIS, Peter; PARKES, Colin Murray (ed.). Attachment Across the Life Cycle. London & NY: Routledge, 1991. 320p.

STROEBE, Margareth; SCHUT, Henk. The dual process model of bereavement: rationale and description. Death studies. Philadelphia, v. 23, p. 197-224, 1999.

____. Meaning making in the dual process model of coping with bereavement. In: NEIMEYER, Robert (org.). Meaning Reconstruction and the experience of loss. Washington DC: American Psychological Association, 2001.

____. A conceptual analysis of the field. Omega: Journal on Death and Dying, New York, v. 52, n. 1, p. 53-70, 2005-2006.

Downloads

Publicado

2019-02-25

Como Citar

Santos, G. C. B. F. (2019). Intervenção do profissional de saúde mental em situações de perda e luto no Brasil. Revista M. Estudos Sobre a Morte, Os Mortos E O Morrer, 2(3), 116–137. https://doi.org/10.9789/2525-3050.2017.v2i3.116-137

Edição

Seção

Dossiê