Apresentação do Dossiê nº 14: Iconografia e cultura material da morte no Mundo Antigo

Autores

  • Fábio Cerqueira Universidade Federal de Pelotas – Pelotas, Brasil https://orcid.org/0000-0001-8864-7762
  • Camila Diogo de Souza Universidade Federal Fluminense – Niterói, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.9789/2525-3050.2022.v7i14.245-253

Palavras-chave:

Iconografia, cultura material da morte, Iconografia da morte, Mundo antigo

Resumo

O dossiê Iconografia e cultura material da morte no Mundo Antigo é composto por doze artigos que versam sobre diferentes abordagens teórico-metodológicas das culturas visual e material da morte nos mundos egípcio, persa, grego, romano, céltico e viking. Trata-se de um dossiê multilíngue, com contribuições em inglês e francês, além do idioma nacional, para o qual contribuem quatorze autores, entre os quais, somando-se aos pesquisadores brasileiros, aqueles ligados nomeadamente a instituições britânicas, gregas e francesas. O leitor perceberá como os estudos sobre a morte e os mortos na Antiguidade é beneficiado a partir de um tratamento multi e interdisciplinar, em que avançamos sobre a compreensão do morrer entre as diferentes culturas do Mundo antigo. O estudo das evidências materiais e visuais ocupa lugar de destaque neste cenário de investigação. Ao mesmo tempo, as análises aqui desenvolvidas revelam como os monumentos funerários são fonte indispensável para o aprofundamento de conhecimentos e desenvolvimento de reflexões sobre temas os mais variados, para além dos estudos mortuários, como música e gênero, política e memória, identidade cultural e relação com o mundo animal, entre outros, por vezes tornando-se fonte exclusiva para tirar do anonimato as trajetórias representativas da diversidade do viver na Antiguidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Cerqueira, Universidade Federal de Pelotas – Pelotas, Brasil

Doutor em Antropologia, concentração em Arqueologia Clássica, pela Universidade de São Paulo (USP). Atua como Professor Titular do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Pesquisador CNPq PQ 1d em Arqueologia histórica. Coordena o Laboratório de Estudos da Cerâmica Antiga–LECA/UFPel. CV: http://lattes.cnpq.br/5901727444406445

Camila Diogo de Souza, Universidade Federal Fluminense – Niterói, Brasil

Doutora em Arqueologia do Mediterrâneo Antigo pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (MAE-USP). Atualmente, é Professora Visitante junto ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense (UFF). É líder do TAPHOS (Grupo de Pesquisa em Práticas Mortuárias no Mediterrâneo Antigo-MAE/USP) e do NEPAAF (Núcleo de Ensino e Pesquisa em Arqueologia e Antropologia Forense–UNIFESP). CV: http://lattes.cnpq.br/8163266362560871

Referências

Baldassare, I. (1988). Tomba e stelle nelle lekythos a fondo bianco. Annali dell'Istituto Universitario Orientali di Napoli, 10, 107-115.

Barad, K. (2007). Meeting the Universe Halfway: Quantum Physics and the Entanglement of Matter and Meaning. Durham, NC: Duke University Press. https://doi.org/10.2307/j.ctv12101zq.

Barnard, M. (2001). Approaches to understanding visual culture. New York: Palgrave. https://doi.org/10.1007/978-1-137-11046-6.

Bell, C. (1991). Ritual Theory, Ritual Practice. Oxford: Oxford University Press.

Bell, C. (2009). Ritual Perspectives and Dimensions. Oxford: Oxford University Press.

Bruneau, Ph. (1986). De l’image. RAMAGE - Revue d’Archéologie Moderne et d’Archéologie Générale, 4, 249-295.

Canepa, M. P. (2010). Technologies of Memory in Early Sasanian Iran: Achaemenid Sites and Sasanian Identity. American Journal of Archaeology, 114 (4), 563–596. https://doi.org/10.3764/aja.114.4.563.

Dolphijn, R. & Van Der Tuin, I. (eds.). (2012). New Materialism: Interviews and Cartographies. Ann Arbor, MI: Open Humanities Press. https://doi.org/10.3998/ohp.11515701.0001.001.

Emmison, M. & Smith, Ph. (2000). Researching the visual. Images, objects, contexts and interactions in social and cultural inquiry. London: Sage.

Gnoli, G. & Vernant, J.-P. (éd.). (1982). La mort, les morts dans les sociétés anciennes. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de l’Homme.

Hamilakis, Y. (2013). Archaeology and the Senses: Human Experience, Memory, and Affect. Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9781139024655.

Hamilakis, Y. (2015). Arqueología y sensorialidad. Hacia una ontología de afectos y flujos. Vestígios - Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, 9 (1), 31–53. https://doi.org/10.31239/vtg.v9i1.10579.

Harding, A. (2016). Introduction. Biography of things. Distant Worlds Journal, 1, 5-10. https://journals.ub.uni-heidelberg.de/index.php/dwj/issue/view/2920.

Heywood, I. & Sandywell, B. (eds.). (1999). Interpreting visual culture. Explorations in the hermeneutics of the visual. London: Routledge.

Hodder, I. (1991). The Meaning of Things: Material Culture and Symbolic Expression. London: Harper Collins Academic.

Hodder, I. (2012). Entangled: An Archaeology of the Relationships between Humans and Things. Malden: Wiley-Blackwell. https://doi.org/10.1002/9781118241912.

Hunt, A. M. W. (ed.). (2016). The Oxford Handbook of Archaeological Ceramic Analysis. Oxford: Oxford University Press. https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199681532.001.0001.

Jameson, F. (1998). Transformations of the image in post-modernity. In F. Jameson (ed.). The cultural turn. Selected writings on the postmodern, 1983-1998 (pp. 93-195). London: Verso.

Jay, M. (1996). Vision in context: reflections and refractions. In T. Brennan & M. Jay (eds.). Vision in context. Historical and contemporary perspectives on sight (pp. 1-14). London: Routledge.

Lagia, A. et al. (2014). The State of Approaches to Archaeological Human Remains in Greece. In B. O’Donnabhain & M. C. Lozada (eds.) Archaeological Human Remains. Global Perspectives (pp. 105-126). Heidelberg: Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-319-06370-6_8.

Larsen, C. S. (2015). Bioarchaeology. Interpreting behavior from the human skeleton. Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9781139020398.

Meneses, U. T. B. (2003). Fontes visuais, cultura visual, história visual: balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, 23 (45), 11-36. https://doi.org/10.1590/S0102-01882003000100002.

Meneses, U. T. B. (2005). Rumo a uma História Visual. In J. S. Martins, C. Eckert, S. Caiuby Novaes, (orgs.). O imaginário e o poético nas Ciências Sociais. (pp. 33-56). Bauru, SP: EDUSC.

Neiva, E. (1994). Imagem, História e Semiótica. Anais do Museu Paulista. História e Cultura Material, 1, 11-29. https://doi.org/10.1590/S0101-47141993000100002.

Olsen, B. (2010). In Defense of Things: Archaeology and the Ontology of Objects. Plymouth: Altamira Press.

Pellini, J. R. (2015). Arqueologia com Sentidos. Uma Introdução à Arqueologia Sensorial. Revista de Arqueologia Pública, 11, 1-12. https://doi.org/10.20396/rap.v9i4.8643516.

Pellini, J. R. (2016). Rituais: afetos, sentidos e memórias. Uma proposta. Habitus, 14, 141-156. https://doi.org/10.18224/hab.v14.1.2016.141-156.

Silva, S. F. S. M. da. (2014). Arqueologia Funerária: corpo, cultura e sociedade. Ensaios sobre a interdisciplinaridade no estudo das práticas mortuárias. Recife: Editora da UFPE.

Sofaer, J. (2006). The Body as Material Culture: A Theoretical Osteoarchaeology. Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511816666.

Souza, C. D (2015). A Arte Geométrica Grega: entre 900 e 700 a.C.: reflexões sobre a análise de motivos iconográficos no estudo da cultura material. Calíope: Presença Clássica, 29, 61-87. https://doi.org/10.24277/classica.v31i1.619.

Souza, C. D. de & Dias, C. K. B. (2018). The iconography of death: continuity and change in prothesis ritual through iconographical techniques, motifs, and gestures depicted in Greek pottery. CLASSICA. Revista Brasileira de Estudos Clássicos, 31 (1), 61-87.

Souza, C. D. de & Dias, C. K. B. (2022). Arqueologia e Antropologia da agência: fundamentos da agência nos estudos da cultura material. Revista de Arqueologia, 35 (2), 208–226.

Souza, C. D. de. (2010). As Práticas Mortuárias na Região da Argólida entre os séculos XI e VIII a.C. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia MAE/USP, 20, 197-217. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2010.89922.

Souza, C. D. de. (2018, julho a dezembro). A morte lhe cai bem. Reconsiderando o significado do mobiliário funerário na construção do prestígio social. Revista M., 3 (6), 263-187. https://doi.org/10.9789/2525-3050.2018.v3i6.263-287.

Souza, C. D. de. (2019). Aspectos da construção do espaço funerário no mundo Grego do Período Geométrico (entre 900 e 700 a.C.). In M. B. B. Florenzano (org.). Khoríon - . Cidade e Território na Grécia Antiga (pp. 261-306). São Paulo: FAPESP.

Stockhammer, Ph. W. (ed.). (2012). Conceptualizing Cultural Hybridization. A Transdisciplinary Approach. Transcultural research. Heidelberg: Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-642-21846-0.

Tacla, A. (2008). Resenha: Arqueologia funerária francesa? Novas perspectivas. Brathair, 8 (1), 111-116. https://ppg.revistas.uema.br/index.php/brathair/article/view/517/440.

Vergara Cerqueira, F. (2011). O lugar da música nas crenças e nos rituais funerários da Grécia antiga. In O. D. Álvarez Salas (org.). Cultura Clásica y su Tradición. Balance y Perspectivas Actuales (pp. 175-196). Ciudad de México: Universidad Autónoma de México.

Vergara Cerqueira, F. (2011a). A polissemia dos “concertos no gineceu” na iconografia dos vasos áticos do quinto século: amor nupcial ou vida intelectual? In M. C. O. Bruno et al. (orgs.). Arqueologia do Mediterrâneo Antigo. Estudos em Homenagem a Haiganuch Sarian (pp. 63-84). São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo.

Vergara Cerqueira, F. (2012). A morte entre os atenienses: a pólis e a família – conflitos deflagrados. In E. A. Silveira; M. M. Bakos (orgs.). Vida, Cotidiano e Morte: estudos sobre o Oriente Antigo e Idade Média (pp. 139-151). Porto Alegre: Letra e Vida.

Vergara Cerqueira, F. (2014). Abordagens mitológicas na iconografia funerária da cerâmica ática (510 - 450 a.C.): repensando a periodização. CLASSICA. Revista Brasileira de Estudos Clássicos, 27 (1), 83-128. https://doi.org/10.24277/classica.v27i1.336.

Vergara Cerqueira, F. (2014a). A temática musical na iconografia dos lekythoi de fundo branco. Simbolismos funerários da lyra, do barbitos e da phorminx. In F.

Vergara Cerqueira, A. T. M. Gonçalves, E. B. Medeiros; J. L. Brandão (orgs.). Saberes e Poderes no Mundo Antigo. Estudos Ibero-latino-americanos. Volume I - Dos Saberes (pp. 143-172). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. https://doi.org/10.14195/978-989-26-0626-2.

Vergara Cerqueira, F. (2019). Uma antropologia histórica da Grécia antiga: Gernet e a reinvenção durkheimiana dos estudos helênicos. Classica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, 32 (2), 69–90. https://doi.org/10.24277/classica.v32i2.748.

Vergara Cerqueira, F. (2020). Música ao Túmulo nos Vasos Italiotas (séc. IV a.C.). In M. M. de Carvalho & L. M. de Omena (orgs.). Narrativas e materialidades sobre a morte nas Antiguidades oriental, clássica e tardia (pp. 99-138). Curitiba: CRV.

Vergara Cerqueira, F. (2022). Musicistas atuando em concursos musicais. In I. Vieira et al. (orgs). Compêndio Histórico de Mulheres da Antiguidade. Volume 1: A presença das mulheres na Literatura e na História. Goiânia: Tempestiva (prelo).

Vergara Cerqueira, F. (2022a). Musicistas no Período Arcaico e Clássico. In I. Vieira; S. Corsi Silva; R. Brunhara (orgs). Compêndio Histórico de Mulheres da Antiguidade. Volume 1: A presença das mulheres na Literatura e na História. Goiânia: Tempestiva (prelo).

Vernant, J-P. (2001). Entre mito e política. São Paulo: Edusp.

Watts, Chr. M. (2007). From purification to mediation: overcoming artifactual ‘otherness’ with and in Actor-Network Theory. Journal of Iberian Archaeology, 9/10, 39-54.

Downloads

Publicado

2022-07-30

Como Citar

Cerqueira, F., & Souza, C. D. de. (2022). Apresentação do Dossiê nº 14: Iconografia e cultura material da morte no Mundo Antigo. Revista M. Estudos Sobre a Morte, Os Mortos E O Morrer, 7(14), 245–253. https://doi.org/10.9789/2525-3050.2022.v7i14.245-253