Morte e morrer em oncologia: relato de experiência a partir da extensão universitária

Autores

  • Rafaela de Almeida Rosa Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Macaé http://orcid.org/0000-0002-5598-7768
  • Nathália Borges Melo de Brito Universidade Federal do Rio de Janeiro campus Macaé
  • Christian Marx Carelli Taets Universidade Federal do Rio de Janeiro campus Macaé
  • Gunnar Glauco De Cunto Carelli Taets Universidade Federal do Rio de Janeiro https://orcid.org/0000-0003-4427-7864

Palavras-chave:

Morte e oncologia, Tanatologia, Educação para a morte, Extensão universitária, Morte e ensino universitário

Resumo

Trata-se de um relato de experiência, a partir da descrição de alunos de Medicina, Farmácia, Nutrição, Biologia e Enfermagem, de diversas Instituições de Ensino Superior, além de profissionais da odontologia, que participaram do I Curso de extensão em oncologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Campus Macaé, e responderam sobre o significado da morte e morrer do paciente, após uma dinâmica que utilizava música para proporcionar reflexão sobre o tema. A partir da análise das respostas dos participantes é possível perceber a extrema relevância da abordagem dessa temática na extensão universitária, já que a morte e o morrer são vivências frequentes na prática profissional, mas pouco abordadas durante os cursos de graduação da área da saúde, culminando na formação de profissionais despreparados para lidar com tal temática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela de Almeida Rosa, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Macaé

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e estudante de iniciação científica pelo Laboratório de Pesquisa Integrada em Saúde (PIS/CNPQ). Bolsista do programa de monitoria da UFRJ na disciplina Enfermagem nos Cuidados Básicos de Saúde à Mulher. Voluntária no projeto de extensão Oficinas Musicais: desenvolvendo aprendizagem, criatividade e cidadania. Voluntária no projeto de extensão VacinAÇÃO: prevenção e educação em saúde no combate à COVID-19.

Nathália Borges Melo de Brito, Universidade Federal do Rio de Janeiro campus Macaé

Médica formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Enfermeira formada pela Universidade José do Rosário Vellano. Atua como Sargento da Aeronáutica na emergência do Hospital Central da Aeronáutica.

Christian Marx Carelli Taets, Universidade Federal do Rio de Janeiro campus Macaé

Estudante de Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e estudante de iniciação científica pelo Laboratório de Pesquisa Integrada em Saúde (PIS/CNPQ).

Gunnar Glauco De Cunto Carelli Taets, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Ciências pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente é Professor Adjunto do Curso de Graduação em Enfermagem do Instituto de Enfermagem do Centro Multidisciplinar da Universidade Federal do Rio de Janeiro, campus Macaé, e Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ambiente, Sociedade e Desenvolvimento do Instituto de Biodiversidade e Sustentabilidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

Almeida, L. & Falcão, E. (2013). Representação social de morte e a formação médica: a importância da UTI. Revista Brasileira de Educação Médica, 37 (2), 226-234. https://doi.org/10.1590/S0100-55022013000200010

Ariès, P. (1981). O homem diante da morte. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Ariès, P. (2003). História da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Ediouro.

Azeredo, N., Rocha, C. & Carvalho, P. (2011). O enfrentamento da morte e do morrer na formação de acadêmicos de medicina. Revista de Educação Médica, 35 (1), 37-43. https://doi.org/10.1590/S0100-55022011000100006

Banazeski, T., Vargas, J. & Silva, S. (2016). O olhar da Enfermagem diante do Processo de Morte e Morrer de pacientes críticos: Uma revisão integrativa. Revista eletrônica trimestral de Enfermeira. 41 (1), 335-347.

Bandeira, D. & Bisogno, S. B. C. (2011, julho a dezembro). A abordagem da morte e morrer na graduação em enfermagem: um relato de experiência. Revista contexto & saúde, 11 (21), 11-15.

Bandeira, D., Bisogno, S. B. C., Hildebrandt, L. M. & Badke, M. R. (2014). A morte e o morrer no processo de formação de enfermeiros sob a ótica de docentes de enfermagem. Texto contexto - enfermagem, 23 (2), 400-407. https://doi.org/10.1590/0104-07072014000660013

Barros, W., Ribeiro, K., Oliveira, L. & Melo, C. (2013, junho). Ensinando a vivenciar o processo de morte e morrer: um encontro entre educação e cuidado na formação de enfermeiros. Anais do 17º Seminário nacional de pesquisa em enfermagem (pp. 887-889). ABEn Rio Grande do Norte.

Bellato, R. & Carvalho, E. (2005, janeiro a fevereiro). O jogo existencial e a ritualização da morte. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 13 (1), 99-104. https://doi.org/10.1590/S0104-11692005000100016. PMid:15761587

Brêtas, J. R. S., Oliveira, J. R. & Yamaguti, L. (2006, dezembro). Reflexões de estudantes de enfermagem sobre morte e o morrer. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 40 (4), 477-483. https://doi.org/10.1590/S0080-62342006000400005

Camponogara, S., Santos, T., Seiffert, M. & Alves, C. (2011). O cuidado humanizado em unidade de terapia intensiva: uma revisão bibliográfica. Revista de Enfermagem da UFSM, 1 (1), 124-132. https://doi.org/10.5902/217976922237

Cantídio, F. S., Vieira, M. A. & Sena R. R. (2011). Significado da morte e de morrer para os alunos de enfermagem. Investigación y Educación en Enfermería, 29 (3), 407-418.

Combinato, D. & Queiroz, M. (2005, maio a agosto). Morte: uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia, 11 (2), 209-216. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2006000200010

D’assumpção, E. A. (1998). Comportar-se fazendo bioética para quem se interessa pela ética. Petrópolis, RJ: Ed. Vozes.

Elias, N. (2001). A solidão dos moribundos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

França, M. & Botomé, S. (2005). É possível uma educação para a morte? Psicologia em Estudo, 10 (3), 547-548. https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000300024

Foucault, M. (1994). O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Kovács, M. J. (2005). Educação para a morte. Psicologia ciência e profissão, 25 (3), 484-497. https://doi.org/10.1590/S1414-98932005000300012

Kovács, M. J. (2010). Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar: cuidando do cuidador profissional. O Mundo da Saúde, 34 (4), 420-429. https://doi.org/10.15343/0104-7809.20104420429

Lima, R., Borsatto, A. Z., Vaz, D. C., Pires, A. C. F., Cypriano, V. P. & Ferreira, M. A. (2017). A morte e o processo de morrer: ainda é preciso conversar sobre isso. Revista mineira de enfermagem, 21, e1040.

Lima, V. & Buys, R. (2008). Educação para a morte na formação de profissionais de saúde. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60 (3), 52-62.

Mattos, T., Lange, C., Cecagno, D., Amestoy, S., Thofehrn, M. & Milbrath, V. (2009). Profissionais de enfermagem e o processo de morrer e morte em uma unidade de terapia intensiva. Revista Mineira de enfermagem. 13 (3), 337-342.

Menezes, R. A. (2004). Em busca da boa morte: antropologia dos cuidados paliativos. Rio de Janeiro: Garamond.

Menezes, R. A. (2006). Difíceis decisões: etnografia de um centro de tratamento intensivo. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Pazin-Filho, A. (2005, janeiro a março). Morte: considerações para a prática médica. Revista Medicina, 38 (1), 20-25. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v38i1p20-25

Quintana, A. & Arpini, D. (2002). A atitude diante da morte e seu efeito no profissional de saúde: uma lacuna da formação? Revista Psicologia Argumento, 19 (30), 45-50.

Santos, M. & Hormanez, M. (2013). Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciência e Saúde Coletiva, 18 (9), 2757-2768. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000900031. PMid:23989583

Silva, G., Sanches, P. & Carvalho, M. (2007). Refletindo sobre o cuidado de enfermagem em unidade de terapia intensiva. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, 11 (1), 94-98.

Sousa, D., Soares, E., Costa, K., Pacífico, A. & Parente, A. (2009). A vivência da enfermeira no processo de morte e morrer dos pacientes oncológicos. Texto e Contexto Enfermagem, 18 (1), 41-47. https://doi.org/10.1590/S0104-07072009000100005

Souza, L. & Boemer, M. (2005, janeiro a março). O cuidar em situação de morte: algumas reflexões. Revista Medicina, 38 (1), 49-54. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v38i1p49-54

Tonetto, L. & Rech, T. (2001, janeiro a junho). Lidar com a terminalidade: um desafio para o psicólogo. Revista Psico, 32 (1), 131-145.

Vargas, D. (2010). Morte e morrer: sentimentos e condutas de estudantes de enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 23 (3), 404-410. https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000300015

Vila, V. & Rossi, L. (2002). O significado cultural do cuidado humanizado em unidade de terapia intensiva: muito falado e pouco vivido. Revista Latina Americana de Enfermagem, 10 (2), 137-144. https://doi.org/10.1590/S0104-11692002000200003

Waldow, V. & Borges, R. (2013). Cuidar e humanizar: relações e significados. Acta Paulista de Enfermagem, 24 (3), 414-418. https://doi.org/10.1590/S0103-21002011000300017

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

Rosa, R. de A., Melo de Brito, N. B., Taets, C. M. C., & Taets, G. G. D. C. C. (2022). Morte e morrer em oncologia: relato de experiência a partir da extensão universitária. Revista M. Estudos Sobre a Morte, Os Mortos E O Morrer, 7(13), 228–240. Recuperado de http://www.seer.unirio.br/revistam/article/view/10935