O ensino da morte e do morrer por docentes de enfermagem no Brasil: um estudo bibliométrico

Autores

Palavras-chave:

Tanatologia, Ensino da morte, Morte e Ensino de Enfermagem, Educação para a morte

Resumo

O artigo objetiva analisar a produção científica sobre o ensino da morte e do morrer por docentes de enfermagem no Brasil. Trata-se de um estudo bibliométrico, realizado com publicações das bases de dados LILACS, MEDLINE, BDENF e SciELO e no Portal CAPES, considerando o intervalo 2005-2019. A maioria dos autores são pesquisadores da área de Enfermagem, com predomínio da titulação de doutor. Observou-se que o ensino-aprendizagem sobre a morte e o morrer por docentes de enfermagem tem como ponto de partida as experiências quando estudantes; suas dificuldades em vivências particulares e as fragilidades da abordagem curricular. É preciso considerar a interdisciplinaridade e a formação em educação para a morte no cuidado para pessoas em processo do morrer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Luiza Azevedo dos Reis, Universidade Federal de Campina Grande/UFCG

Graduanda do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Enfermagem da Universidade Federal de Campina Grande.

Olavo Mauricio de Souza Neto, Universidade Federal de Campina Grande/UFCG

Graduando do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Enfermagem da Universidade Federal de Campina Grande.

Arthur Alexandrino, Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN

Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Extensionista no Estágio Nacional de Extensão em Comunidade (ENEC), pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Débora Thaise Freires de Brito, Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Atuou como Docente da UFCG, campus Cuité, nos componentes curriculares de Enfermagem em Oncologia; Ética, Legislação e Bioética em Enfermagem; e Bases Teóricas e Práticas de Enfermagem na Saúde da Mulher.

Glenda Agra, Universidade Federal de Campina Grande/UFCG

Doutora em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Paraíba. Atualmente é professora do Curso de Bacharelado em Enfermagem da Universidade Federal de Campina Grande, campus Cuité.

Referências

Balduíno, A. de F. A. et al. (2013, agosto). A utilização de mapas conceituais no estudo de um referencial metodológico: relato de experiência. Ciência, Cuidado e Saúde, 12 (1), 177-183. Disponível em: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v12i1.16227. Acesso em: 19 mai. 2020.

Bandeira, D. et al. (2014, abril a junho). A morte e o morrer no processo de formação de enfermeiros sob a ótica de docentes de enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, 23 (2), 400-407. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/714/71431352021.pdf. Acesso em: 19 maio 2020.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bellato, R. et al. (2007, março). A abordagem do processo do morrer e da morte feita por docentes em um curso de graduação em enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 20 (3), 255-263. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-21002007000300003. Acesso em: 18 maio 2020.

Benedetti, G. et al. (2013). Significado do processo morte/morrer para os acadêmicos ingressantes no curso de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, 34 (1), 173-179. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1983-14472013000100022. Acesso em: 21 ago. 2021. PMid:23781739.

Campanatti-Ostiz, H. & Andrade, C. R. F. de. (2010, dezembro). Descritores em Ciências da Saúde na área específica da Fonoaudiologia Brasileira. Pró-Fono Revista de Atualização Científica, 22 (4), 397-402. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-56872010000400006. Acesso em: 01 ago. 2019. PMid:21271089.

Campos, C. J. G. & Turato, E. R. (2009, março a abril). Análise de conteúdo em pesquisas que utilizam metodologia clínico-qualitativa: aplicação e perspectivas. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 17 (2), 1-6. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rlae/v17n2/pt_19. Acesso em: 01 ago. 2019.

Carneiro, A. C. & Andrade, A. C. R. (2018, agosto). O despertar para o cuidado na morte e no processo de morrer. Comunicação em Ciências da Saúde, 29 (1), 54-57. Disponível em: http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/174/254. Acesso em: 01 set. 2020.

Carvalho, M. D. de B. & Valle, E. R. M. (2006, setembro). Vivência da morte com o aluno na prática educativa. Ciência, Cuidado e Saúde, 5, 26-32. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/5149/3335. Acesso em: 18 maio 2020.

Galvão, N. A. R. et al. (2010). A morte e o morrer sob a ótica dos profissionais da saúde. Revista Estima, 8 (4), 26-34. Disponível em: http://www.revistaestima.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=47:artigo-original-2&catid=17:edicao-vol-84&Itemid=88.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6ª ed.). São Paulo: Editora Atlas SA.

Hott, M. C. M. & Reinaldo, A. M. dos S. (2020). O processo de morte e morrer: educação da enfermagem na escola e em serviço. Revista HISTEDBR Online, 20, e020055. Disponível em: https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8656918. Acesso em: 22 ago. 2021.

Jafari, M. et al. (2015, maio a agosto). Caring for dying patients: attitude of nursing students and effects of education. Indian Journal of Palliative Care, 21 (2), 192-197. Disponível em: https://doi.org/10.4103/0973-1075.156497. Acesso em: 13 abr. 2015. PMid:26009673. PMCid:PMC4441181.

Kovács, M. J. (2004). Educação para a morte: temas e reflexões. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Lima, M. G. R. de & Nietsche, E. A. (2016, julho a agosto). Ensino da morte por docentes enfermeiros: desafio no processo de formação acadêmica. Revista Rene, 17 (4), 512-519. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/4946/3647. Acesso em: 19 maio 2020.

Lima, M. G. R. de et al. (2012, setembro). Revisão integrativa: um retrato da morte e suas implicações no ensino acadêmico. Revista Gaúcha de Enfermagem, 33 (3), 190-197. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1983-14472012000300025. Acesso em: 12 jul. 2020. PMid:23405826.

Lima, R. de. et al. (2018, maio). Educação para a morte: sensibilização para o cuidar. Revista Brasileira de Enfermagem, 71 (4), 1779-1784. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v71s4/pt_0034-7167-reben-71-s4-1779.pdf. Acesso em: 12 abr. 2021.

Medeiros, K. K. A. S. et al. (2012, agosto). Associações entre o Qualis/CAPES e aspectos bibliométricos da produção científica da enfermagem gerontogeriátrica. Revista Rene, 13 (4), 958-968. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/3240/324027983026.pdf. Acesso em: 01 dez. 2020.

Minayo, M. C. de S. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (10ª ed.). São Paulo: Editora Hucitec.

Moura, L. V. C. et al. (2018). Ensino de tanatologia nos cursos de graduação em enfermagem. Revista baiana de enfermagem, 32, e20888. Disponível em: https://doi.org/10.18471/rbe.v32.20888. Acesso em: 01 set. 2020.

Nunes, E. C. D. A. & Santos, A. de A. (2017, agosto a outubro). Desafios de ensino-aprendizagem da Enfermagem para o cuidado frente ao morrer humano-percepções docentes. Escola Anna Nery, 21 (4), e20170091. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452017000400235&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso: 19/05/2020.

Nunes, F. N. et al. (2016, outubro a dezembro). As evidências sobre o impacto psicossocial de profissionais de enfermagem frente à morte. Revista Interdisciplinar, 9 (4), 165-172. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/545. Acesso em: 01 set. 2019.

Pinho, L. M. O. & Barbosa, M. A. (2010, fevereiro). A relação docente-acadêmico no enfrentamento do morrer. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 44 (1), 107-112. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000100015. Acesso em: 19 maio 2020. PMid:20394226.

Prado, R. T. et al. (2018). Desvelando os cuidados aos pacientes em processo de morte/morrer e às suas famílias. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e2017-0111. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v39/1983-1447-rgenf-39-e2017-0111.pdf. Acesso em: 01 set. 2019.

Praxedes, A. M. et al. (2018, outubro). A morte e o morrer no processo de formação do enfermeiro. Psicologia, Saúde & Doenças, 19 (2), 369-376. Disponível em: https://doi.org/10.15309/18psd190216. Acesso em: 01 set. 2019.

Quingley, C. (1961). A evolução das civilizações: uma introdução à análise histórica. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Rates, C. M. P. & Pessalacia, J. D. R. (2013, setembro a dezembro). Conhecimento de pesquisadores acerca das normas éticas para pesquisas envolvendo humanos. Revista Bioética, 21 (3), 566-574. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1983-80422013000300021. Acesso em: 01 set. 2019.

Rodrigues, C. (2005). Nas Fronteiras do além: a secularização da morte no Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Rodrigues, C. (2008). A arte de bem morrer no Rio de Janeiro setecentista. Varia História, 24 (39), 255-72. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-87752008000100012. Acesso em: 22 ago. 2021.

Rodrigues, C. (2013). Lugares dos mortos na cristandade ocidental. Revista Brasileira de História das Religiões, 5 (15), 105-129.

Ruiz, M. A. et al. (2009, outubro). Fator de impacto: importância e influência no meio editorial, acadêmico e científico. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, 31 (5), 355-360. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1516-84842009005000080. Acesso em: 01 ago. 2019.

Salomé, G. M. et al. (2009). Sala de Emergência: O cotidiano das vivências com a morte e o morrer pelos profissionais da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 62 (5), 681-686. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000500005. Acesso em: 22 ago. 2021. PMid:20552824.

Santana, J. C. B. et al. (2013, setembro). Docentes de enfermagem e terminalidade em condições dignas. Revista Bioética, 21 (2), 298-307. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1983-80422013000200013. Acesso em: 19 mai. 2020.

Sartori, A. V. & Battistel, A. L. H. T. (2017). A abordagem da morte na formação de profissionais e acadêmicos da enfermagem, medicina e terapia ocupacional. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 25 (3), 497-508. Disponível em: https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO0770. Acesso em: 22 ago. 2021.

Silva, C. L. N & Melo, T. C. L. (2018). “Quem de novo não morre, de velho não escapa”: uma pesquisa bibliográfica acerca das publicações em Tanatologia no período de 2012 a 2017 no Brasil. Caderno de Graduação – Ciências Humanas & Sociais, 4 (3), 173-86. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/fitshumanas/article/view/5228. Acesso em 01 set 2019.

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

Azevedo dos Reis, M. L., de Souza Neto, O. M., Alexandrino, A., Freires de Brito, D. T., & Agra, G. (2022). O ensino da morte e do morrer por docentes de enfermagem no Brasil: um estudo bibliométrico. Revista M. Estudos Sobre a Morte, Os Mortos E O Morrer, 7(13), 181–198. Recuperado de http://www.seer.unirio.br/revistam/article/view/10559