Diálogo visual sobre as implicações do trabalho com a morte e o corpo sem vida

Autores

  • Amanda Anavlis Costa Escola Técnica de Saúde do Espírito Santo
  • Elda Coelho de Azevedo Bussinguer Faculdade de Direito de Vitória
  • Hiata Anderson Silva do Nascimento Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes
  • Samantha Moreira Felonta Universidade Federal do Espírito Santo https://orcid.org/0000-0002-6058-6264
  • Roseane Vargas Rohr Universidade Federal do Espírito Santo

Palavras-chave:

Morte, Educação, Arte, Saúde, Saúde do trabalhador

Resumo

Com o objetivo de utilizar a arte para promover reflexões sobre as implicações do trabalho com a morte, este estudo teórico reflexivo de natureza qualitativa apoiou-se na tecnologia educativa para uma mostra cultural, para a produção dos dados para análise, pautando-se no referencial de Paulo Freire. O corpus de análise foi constituído por imagens paradas e em movimento, selecionadas intencionalmente, utilizando recursos de busca do Google. A análise crítica dos autores, sustentada nas produções científicas utilizadas, possibilitou uma formulação discursiva sobre as implicações do trabalho com a morte, evidenciando tabus, estigmas, desvalorização social e não reconhecimento, associados ao manuseio do cadáver. A mostra cultural temática é uma tecnologia educacional que promove uma reflexão sobre fenômenos da vida e potencializa uma compreensão crítica sobre os sentidos do trabalho de profissionais que lidam com a morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Anavlis Costa, Escola Técnica de Saúde do Espírito Santo

Enfermeira pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Atualmente atua como professora na Escola Técnica de Saúde do Espírito Santo.

Elda Coelho de Azevedo Bussinguer, Faculdade de Direito de Vitória

Livre Docente pela Universidade do Rio de Janeiro (UniRio). Pós-doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV). Coordenadora de Pesquisa, Extensão e Relações Internacionais da Faculdade de Direito de Vitória (FDV).

Hiata Anderson Silva do Nascimento, Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes

Doutor em Educação em Ciências e Saúde, no Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências e Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGECS-NUTES/UFRJ). Professor no Instituto Federal do Espírito Santo, campus de Barra de São Francisco/ES.

Samantha Moreira Felonta, Universidade Federal do Espírito Santo

Graduanda em Enfermagem pela Universidade Federal do Espírito Santo. Bolsista do Projeto de Extensão Imagens da Vida: arte - saúde - história (2019-2021); Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Oncologia - GEPONC, participando em Projeto na Linha de Pesquisa: Assistência de Enfermagem ao paciente oncológico (2020-atual).

Roseane Vargas Rohr, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Referências

Almeida, I. P., Malheiro, A. K. da S. & Oliveira, Z. D. (2020). Bastidores da anatomia: da história à essência humana. Revista Internacional de Educação e Saúde, 4 (2), 114-120. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/educacao/article/view/3342. Acesso em: 05 jul. 2021.

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Araújo, R. B de. (2012, julho a dezembro). A mercantilização da morte na sociedade de consumo. Habitus, 10 (2), 341-353. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/habitus/article/view/2836/1731. Acesso em: 13 set. 2017.

Ariès, P. (2014). O homem diante da morte. São Paulo: Editora Unesp.

Ariès, P. (2017). História da morte no Ocidente: da Idade Média aos nossos tempos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Arigoni, M. I. C. (2019). Do jornalismo à literatura: Émile Zola e L’affaire Dreyfus: jornalismo e representações literárias na França do final do século XIX. [Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/211451/001115492.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 09 jul. 2021.

Ashforth, B. E. & Kreiner, G. E. (1999, july). How can you do it? Dirty work and the challenge of constructing a positive identity. The Academy of Management Review, 24 (3), 413-434. Disponível em: www.jstor.org/stable/259134. Acesso em: 13 set. 2017. https://doi.org/10.5465/amr.1999.2202129.

Ashforth, B. E. & Kreiner, G. E. (2014, march). Dirty Work and Dirtier Work: Differences in Countering Physical, Social, and Moral Stigma. Management and Organization Review, 10 (1), 81-108. Disponível em: https://www.cambridge.org/core/journals/management-and-organization-review/article/abs/dirty-work-and-dirtier-work-differences-in-countering-physical-social-and-moral-stigma/3872AF1374E73E3C6D45139E691E6883. Acesso em: 13 set. 2017. https://doi.org/10.1111/more.12044.

Barbosa, L. (2004). Sociedade de Consumo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Barcelos, C. (2015, janeiro a março). Uso de imagens nos artigos científicos: visualizar, reter, divulgar, aprender. RECIIS – Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, 9 (1), 1-3. Disponível em: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/924/1569. Acesso em: 13 set. 2017. https://doi.org/10.29397/reciis.v9i1.924.

Barros, V. A. de & Silva, L. R. da. (2004, dezembro). Trabalho e cotidiano no Instituto Médico Legal de Belo Horizonte. Psicologia em Revista, 10 (16), 318-333. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/psicologiaemrevista/article/view/216. Acesso: 18 out. 2017.

Berlatto, O. (2009, janeiro a julho). A construção da identidade social. Revista do Curso de Direito da FSG, 3 (5), 141-151. Disponível em: http://ojs.fsg.br/index.php/direito/article/view/242. Acesso em: 13 set. 2017.

Cativo, C. K. & Weil, A. G. (2015). Trabalho e Morte: estudo sobre as condições de vida e os impactos sobre a saúde dos coveiros do município de Parintins. Anais da Sétima Jornada Internacional de Políticas Públicas. Universidade Federal do Maranhão. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo2/trabalho-e-morte-estudo-sobre-as-condicoes-de-vida-e-os-impactos-sobre-a-saude-dos-coveiros-do-municipio-de-parintins.pdf. Acesso em: 05 jul. 2021.

Combinato, D. S. & Queiroz, M. de S. (2006). Morte: uma visão psicossocial. Estudos de Psicologia, 11 (2), 209-216. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epsic/v11n2/a10v11n2.pdf. Acesso em: 06 set. 2017. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2006000200010.

Dejours, C., Abdoucheli, E. & Jayet, C. (1994). Psicodinâmica do Trabalho: Contribuições da Escola Dejouriana à Análise da Relação Prazer, Sofrimento e Trabalho. São Paulo: Ed. Atlas.

Enders, B. C., Brito, R. S. de & Monteiro, A. I. (2004, dezembro). Análise conceitual e pensamento crítico: uma relação complementar na enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem, 25 (3), 295-305. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4523/2453. Acesso em: 25 out. 2017.

Farrell, J. (2017, November 29). Shakespeare’s Grevediggers – the first appearance of working people on the world stage. Culture Matters. Disponível em: https://culturematters.org.uk/index.php/arts/theatre/item/2680-shakespeare-s-gravediggers-the-first-appearance-of-working-people-on-the-world-stage. Acesso em: 28 mar. 2021

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido (42 ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2011). Pedagogia da Autonomia (43 ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Goffman, E. (1988). Estigma: notas sobre a manipulação de uma identidade deteriorada (4. ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Goldenberg, P., Marsiglia, R. M. G. & Gomes, M. H. de A. (Org.). (2003). O clássico e o novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz. https://doi.org/10.7476/9788575412510.

Hasheesh, M. O. A. et al. (2013). Nurses' characteristics and their Attitudes toward Death and Caring for Dying Patients in a Public Hospital in Jordan. Health Science Journal, 7 (4), 384-394. Disponível em: https://www.hsj.gr/medicine/nurses-characteristics-and-their-attitudes-toward-death-and-caring-for-dying-patients-in-a-public-hospital-in-jordan.pdf. Acesso em: 13 out. 2017.

Hirose, C. (2011, janeiro a junho). Ritos, tradição e educação: o interior e o exterior. Revista Internacional d’Humanitats, 21, 19-26. Disponível em: http://www.hottopos.com/rih21/P19a26.pdf. Acesso em: 05 jul. 2021.

Houaiss, A. (2001). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva. https://doi.org/10.5628/rpcd.01.03.03.

Huizinga, J. (2010). O outono da Idade Média: Estudos sobre as formas de vida e de pensamento dos séculos XIV e XV na França e nos países baixos. São Paulo: Cosac & Naify.

Jaskowiak, C. R., Zamberlan, P. & Fontana, R. T. (2013, janeiro a março). Processo de Morte e Morrer: sentimentos e percepções de técnicos de enfermagem. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 5 (1), 3515-3522. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/1995/pdf_711. Acesso em: 20 out. 2017. https://doi.org/10.9789/2175-5361.2013v5n1p3515.

Jensen, A. & Curtis, M. (2008). Descriptive qualitative study of student learning in a psychosocial nursing class infused with art, literature, music, and film. International Journal of Nursing Education Scholarship, 5 (1), 1-9. Disponível em: https://www.degruyter.com/document/doi/10.2202/1548-923X.1344/html. Acesso em: 25 out. 2017. https://doi.org/10.2202/1548-923X.1344.

Kim, H. (2012). The Purification Process of Death Mortuary Rites in a Japanese Rural Town. Asian Ethnology, 71 (2), 225-257. Disponível em: https://asianethnology.org/downloads/ae/pdf/a1755.pdf. Acesso em: 05 jul. 2021.

Kovács, M. J. (2012). Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Kovács, M., Vaiciunas, N. & Alves, E. G. R. (2014). Profissionais do Serviço Funerário e a Questão da Morte. Psicologia: Ciência e Profissão, 34 (4), 940-954. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932014000400940&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 23 set. 2017. https://doi.org/10.1590/1982-370001272013.

Kübler-Ross, E. (1994). Sobre a morte e o morrer (6ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Leal, A., Benoti, A. & Kimura, A. (Dir.). (2014). Operários da morte. [Filme]. Campinas: Laboratório de Imagens e Som. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=2eZHEpks6uE. Acesso em: 25 jun. 2017.

Lima, C. (2005, março). Do conceito ao diagnóstico de morte: controvérsias e dilemas éticos. Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, 12 (1), 6-10. Disponível em: https://www.spmi.pt/revista/vol12/vol12_n1_2005_06-10.pdf. Acesso em: 12 set. 2017.

Lopes, E. L. da R. (2017). Rituais funerários: O além-morte na percepção da sociedade egípcia antiga. [Monografia de Especialização Lato Sensu, Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro]. Disponível em: https://monografias.brasilescola.uol.com.br/historia/rituais-funerariosalem-morte-na-percepcao-sociedade-egipcia.htm. Acesso em: 28 mar. 2021.

Magalhães, M. V. & Melo, S. C. de A. (2015, abril). Morte e Luto: o sofrimento do profissional da saúde. Psicologia e Saúde em Debate, 1 (1), 65-77. Disponível em: http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/7. Acesso em: 28 mar. 2021.

Melo, Á. A. (2016, agosto a dezembro). Ressignificação da Morte: uma reflexão sociológica sobre o filme “A Partida”. Revista Café com Sociologia, 5 (3), 34-42. Disponível em: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/669. Acesso em: 28 mar. 2021.

Meneses, E. de A. et al. (2010). Análise bioética do diagnóstico de morte encefálica e da doação de órgãos em hospital público de referência do Distrito Federal. Revista Bioética, 18 (2), 327-412. Disponível em: https://revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/view/572/0. Acesso em: 28 mar. 2021.

Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F. & Gomes, R. (org.). (2010). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (29ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Morin, E. M. (2001) Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, 41 (3), 8-19. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rae/v41n3/v41n3a02.pdf. Acesso em: 28 mar. 2021. https://doi.org/10.1590/S0034-75902001000300002.

Mourthé Junior, C. A., Lima, V. V. & Padilha, R. de Q. (2017), Integrando emoções e racionalidades para o desenvolvimento de competência nas metodologias ativas de aprendizagem. Interface, 22 (65), 577-588. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v22n65/1807-5762-icse-1807-576220160846.pdf. Acesso em: 23 nov. 2017. https://doi.org/10.1590/1807-57622016.0846.

Nascimento, C. A. D. do et al. (2006, janeiro a abril). A significação do óbito hospitalar para enfermeiros e médicos. Rev RENE, 7 (1), 52-60. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/5369. Acesso em: 28 mar. 2021.

Pazin-Filho, A. (2005). Morte: Considerações para a prática médica. Medicina, 38 (1), 20-25. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/419. Acesso em: 25 jun. 2017. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v38i1p20-25.

Petruski, M. R. (2008, setembro a outubro). Cemitério Municipal São José: um espaço da Egiptomania em Ponta Grossa. História, imagem e narrativas, 3 (7), 2-18.

Ribas, V. & Gomes, F. A. (2012). Trabalhadores da morte: dilemas éticos. O Mundo da Saúde, 36 (1), 86-89. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/mundo_saude/trabalhadores_morte_dilemas_eticos.pdf. Acesso em: 28 mar. 2021. https://doi.org/10.15343/0104-7809.20123618689.

Roca-Roger, M. et al. (2016). Producciones artísticas en el aprendizaje de la enfermería. FEM – Revista de la Fundación Educación Médica, 19 (1), 13-18. Disponível em: http://scielo.isciii.es/pdf/fem/v19n1/original1.pdf. Acesso em: 25 jun. 2017. https://doi.org/10.33588/fem.191.818.

Rodrigues, J. C. (2006). Tabu da Morte. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. https://doi.org/10.7476/9788575413722.

Rohr, R. V. et al. (2016). Imagens artísticas como recurso pedagógico na ampliação do processo crítico e reflexivo sobre a saúde humana. Anais do Décimo segundo Congresso Internacional da Rede Unida. Associação Brasileira da Rede Unida. Disponível em: http://conferencia2016.redeunida.org.br/ocs/index.php/congresso/2016/paper/view/5891. Acesso em: 09 nov. 2017.

Ruiz, E. M. et al. (2005). Percepções da morte e do morrer em agentes funerários: um estudo sobre identidade. Anais da 57º Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Fortaleza: SBPC. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/57ra/programas/SENIOR/RESUMOS/resumo_2902.html. Acesso em: 30 nov. 2017.

Salomé, G. M., Cavali, A. & Espósito, V. H. C. (2009, setembro a outubro). Sala de Emergência: o cotidiano das vivências com a morte e o morrer pelos profissionais de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 62 (5), 681-686. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v62n5/05.pdf. Acesso em: 16 set. 2017. https://doi.org/10.1590/S0034-71672009000500005.

Silva, E. F. da, Lopes, H. L. & Silva, A. P. L. da. (2015). O trabalho vivo de profissionais que lidam com a morte. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 18 (1), 61-76. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cpst/v18n1/a05v18n1.pdf. Acesso em: 17 ago. 2017. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v18i1p59-74.

Silva, F. L. de L., Souza, P. C. Z. de, Araújo, A. J. da S. & Pinto, F. do M. (2016, janeiro a março). Estigmatização e Riscos no Trabalho dos Necrotomistas. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32 (1), 133-141. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/revistaptp/article/view/18037/17398. Acesso em: 29 mar. 2021.

Silva, W. M. (2019). Riscos à saúde e segurança do trabalho de coveiros e auxiliares em dois cemitérios municipais de Curitiba-PR. 2019. [Monografia de Conclusão de Curso, Universidade Tecnológica Federal do Paraná]. Disponível em: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/12897/1/CT_CEEST_XXXVII_2019_42.pdf. Acesso em: 05 jul. 2021.

Siqueira-Batista, R. & Schramm, F. R. (2004, maio a junho). A filosofia de Platão e o debate bioético sobre o fim da vida: interseções no campo da Saúde Pública. Cadernos de Saúde Pública, 20 (3), 855-865. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v20n3/23.pdf. Acesso em: 18 out. 2017. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000300023.

Siqueira-Batista, R. & Schramm, F. R. (2004). Eutanásia: Pelas veredas da morte e da autonomia. Ciência Saúde Coletiva, 9 (1), 31-41. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v9n1/19821.pdf. Acesso em: 18 out. 2017. https://doi.org/10.1590/S1413-81232004000100004.

Souza, K. C. C. de & Boemer, M. R. (1998). O significado do trabalho em funerárias sob a perspectiva do trabalhador. Saúde e Sociedade, 7 (1), 27-52. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v7n1/03.pdf. Acesso em: 22 set. 2017. https://doi.org/10.1590/S0104-12901998000100003.

Takita, Y. (2008). A Partida. [Filme]. São Paulo: Paris Filmes. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=vKMsWb-6EWE&t=3s. Acesso em: 26 set. 2017.

Talamoni, A. C. B. (2012). No anfiteatro da anatomia: o cadáver e a morte. São Paulo: Cultura Acadêmica. Disponível em: https://www.clp.unesp.br/Home/Pesquisa9/GruposdePesquisa/grupogepibe/no_anfiteatro_da_anatomia-web.pdf. Acesso em: 09 jul. 2021.

Tapajós, R. (2002). A introdução das artes nos currículos médicos. Interface, 6 (10), 27-36. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/icse/v6n10/03.pdf. Acesso em: 14 ago. 2017. https://doi.org/10.1590/S1414-32832002000100003

Veras, L. & Soares, J. C. (2016). Aqui se jaz, aqui se paga: a mercantilização da morte. Psicologia & Sociedade, 28 (2), 226-236. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/psoc/v28n2/1807-0310-psoc-28-02-00226.pdf. Acesso em: 13 set. 2017. https://doi.org/10.1590/1807-03102016v28n2p226

Vilela, T. (Dir). (2013). Tabu Brasil: cadáveres. [Filme]. Brasil: National Geographic Channel. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=mHxP3yzyFb8. Acesso em: 26 jun. 2017.

Warner, J. H. (2009). Witnessing Dissection: Photography, Medicine, and American Culture. In J. H. Warner & J. M. Edmonson. Dissection: Photographs of a Rite of Passage in American Medicine: 1880-1930 (pp. 7-29). New York: Blast Books.

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

Costa, A. A., Bussinguer, E. C. de A., Nascimento, H. A. S. do, Felonta, S. M., & Rohr, R. V. (2022). Diálogo visual sobre as implicações do trabalho com a morte e o corpo sem vida. Revista M. Estudos Sobre a Morte, Os Mortos E O Morrer, 7(13), 199–227. Recuperado de http://www.seer.unirio.br/revistam/article/view/10481