A relação dos músicos da subárea Práticas Interpretativas com a escrita acadêmica: uma análise sociológica

Autores

  • Ana Carolina Nunes do Couto UFPE

Palavras-chave:

sociologia das Práticas Interpretativas, escrita acadêmica, conhecimento profissional, currículo profissional, habilidade profissional

Resumo

O artigo apresenta uma análise sociológica da relação dos músicos da subárea Práticas Interpretativas com a escrita acadêmica. Essa atividade é uma ferramenta necessária ao pesquisador profissional que atua no espaço da pós-graduação, além de ser uma exigência normativa. Contudo, a escrita costuma ser uma tarefa difícil para os músicos que ingressam na carreira acadêmica, na medida em que esta habilidade não costuma ser desenvolvida sistematicamente durante uma formação musical de viés mais tradicional. Para entender esse fenômeno do ponto de vista sociológico, o artigo discute o papel da linguagem enquanto repositório do acervo social do conhecimento. Ele também conceitua o conhecimento do tipo proposicional e seus processos epistêmicos, visando entender os motivos que conduzem à dilação da aquisição do domínio da escrita pelos músicos da referida subárea. As análises foram iluminadas pela teoria de Berger e Luckmann (2014), e pelos pressupostos de Winch (2010; 2014). O artigo finaliza apresentando questões para reflexão posterior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Nunes do Couto, UFPE

Ana Carolina Nunes do Couto é doutora em Sociologia pela UFPE (2017), mestre em Música (2008) e especialista em Educação Musical (2004) pela Escola de Música da UFMG. Possui graduação em Licenciatura em Música pela Universidade Estadual de Londrina (2002). Atua como professora junto ao Departamento de Música do Centro de Comunicação e Artes da UFPE desde 2009, trabalhando com o ensino de piano em grupo e com pesquisas sobre música popular e epistemologia da música. Tem artigos publicados em revistas especializadas e eventos científicos da Música.

Referências

ALCÂNTARA NETO, D. Aprendizagens em percepção musical: um estudo de caso com alunos de um curso superior de música popular. Dissertação (Mestrado em Música) - Escola de Música, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

BARBEITAS, F. T. Do Conservatório à Universidade: o novo currículo de graduação da Escola de Música da UFMG. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 7, p. 75-82, 2002.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Tratado de sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 2014.

BORÉM, F. Por uma unidade e diversidade da pedagogia da performance. Revista da Abem, Porto Alegre, V. 13, p. 45-54, 2006.

BORÉM, Fausto; RAY, Sônia. Pesquisa em Performance Musical no Brasil: problemas, tendências e alternativas. In: Anais... Rio de Janeiro: SIMPOM, 2012. Disponível em: . Acesso em: 19 de fevereiro de 2013.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília (DF), 23 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2015.

CANO, R. L. Pesquisa artística, conhecimento musical, e a crise da contemporaneidade. Art Research Journal – Revista de Pesquisa em Artes, v. 2, n. 1, p. 69-94, jan.-jun. 2015.

COUTO, A. C. N. do. A dialética social da pesquisa em Música: produção do conhecimento e autonomia profissional dos músicos performers na pós-graduação brasileira (doutorado em Sociologia) –Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2017.

FEICHAS, H. F. B. Formal and Informal Music Learning in Brazilian Higher Education. Tese (Doutorado em Filosofia) – Instituto de Educação, Universidade de Londres, Londres, 2006.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre, Artmed, 2009.

FRANÇA, C. C. Possibilidades de aplicação do modelo espiral de desenvolvimento musical como critério de avaliação no vestibular da Escola de música da UFMG. Opus, Belo Horizonte; Campinas, v. 7, 2000.

FREIRE, V. B.; CAVAZOTTI, A. Música e pesquisa: novas abordagens. Belo Horizonte: Escola de Música da UFMG, 2007.

GOULART, M. de O.; CASTAGNA, P. A. Histórico dos eventos científicos brasileiros na área de música no século XX. In: Congresso nacional da ANPPOM, XV, 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPPOM, 2005. p. 1146-1153.

JARDIM, V. L. G. Institucionalização da profissão docente o professor de música e a educação pública. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 21, p. 15-24, mar. 2009.

KUEHN, F. M. C. Interpretação - reprodução musical - teoria da performance: reunindo-se os elementos para uma reformulação conceitual da(s) prática(s) interpretativa(s). Per Musi (UFMG), p. 7-20, 2012.

LEHMANN, A. C.; GRUBER, H. Music. In: ERICSSON, K. A; CHARNESS, N.; FELTOVICH, P. J.; HOFFMAN, R. R. The cambridge handbook of expertise and expert performer. Cambridge: Cambridge University Press, 2006. p. 457-470.

LIMA, S. A. de. Pesquisa e Performance. ENCONTRO NACIONAL DA ANPPOM, XIII, 2001, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Escola de Música da UFMG, 2001. p. 531-538.

MACCARTHY, E. D. Knowledge as culture: the new sociology of knowledge. London and New York: Routledge, 2005.

MENDONÇA. C. de. A coleção Luiz Heitor Corrêa de Azevedo: música, memória e patrimônio. Dissertação de mestrado em Memória Social - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2007.

OLIVEIRA, J. Reflexões críticas sobre a pesquisa em música no Brasil. EM PAUTA, Revista da UFRGS, Porto alegre, ano IV, n. 5, p. 3-11, jun. 1992.

PENNA, M. Música(s) e seu ensino. 2 ed. Porto Alegre: Sulina, 2010.

PEREIRA, M. V. M. Licenciatura em música e habitus conservatorial: analisando o currículo. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 22, p. 90-103, 2014.

RAY, S. (Org.). Performance musical e suas interfaces. Goiânia: Editora Vieira, 2005.

RAY. S. Pedagogia da performance musical. Tese de livre docência. Escola de Música e Artes Cênicas - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

TOMÁS, L. Pesquisa acadêmica na área de Música: um estado da arte (1988-2013).Anppom: Série Pesquisa em Música no Brasil, 2015, vol. 4.

TOURINHO, C. Ensino coletivo de instrumentos musicais: crenças, mitos, princípios e um pouco de história. In: XVI Encontro Nacional da ABEM e no Congresso Regional da ISME, América Latina, 2007. Disponível em: . Acessado em: 13 de janeiro de 2013.

ULHÔA, M. T. Pesquisa artística. Art Research Journal, vol. 1/2, p. I-VI, jul.-dez. 2014. Editorial. Disponível em: . Acessado em: 28 de outubro de 2015.

______. As consequências do qualis artístico. Art Research Journal, v. 3, n. 3, p. XLIII-LI, 2016. Edição especial. Disponível em: . Acessado em: 28 de julho de 2017.

VIEIRA, L. B. A construção do professor de música: o modelo conservatorial na formação e na atuação do professor de música em Belém do Pará. Tese doutorado em Educação – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

______. A escolarização do ensino de música. Pro-posições, v. 15, n. 2, maio-ago. 2004.

WINCH, C. Dimensions of expertise – a conceptual exploration of vocational knowledge. London: Continuum, 2010.

______. Know-how and knowledge in the professional curriculum. In: YOUNG, M.; MULLER, J. (Orgs.). Knowledge, expertise and professions. London: Routledge, 2014. p. 47-60.

ZORZAL, R. C. Explorando master-classes de violão: um estudo multi-casos sobre estratégias de ensino. Tese de doutorado em Música – Escola de Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

Downloads

Publicado

2018-05-31

Como Citar

Couto, A. C. N. do. (2018). A relação dos músicos da subárea Práticas Interpretativas com a escrita acadêmica: uma análise sociológica. DEBATES - Cadernos Do Programa De Pós-Graduação Em Música, (20). Recuperado de http://www.seer.unirio.br/revistadebates/article/view/7867