O escotismo e a morte em Portugal. A construção do imaginário “Eterno Acampamento”

Paulo Oliveira Fontes, Gonçalo Brito Graça

Resumo


O presente artigo aborda a relação do universo escotista português com os conceitos de “morte” e “Eterno Acampamento” nas décadas de 1910 a 1930. As premissas do fundador inglês Robert Baden-Powell para que os jovens pudessem aspirar a uma cidadania ativa e produtiva, através de acampamentos e práticas pedagógicas em contextos orográficos agrestes, cedo provocaram divergências internas sobre a finalidade da formação cívica, social, moral e religiosa dos escoteiros, e estenderam-se aos cinco continentes. Porém, o caso português apresenta ainda um outro debate - o problema do destino metafísico dos escoteiros – que, depois de morrerem, para onde iriam as suas almas? Através da leitura da imprensa associativa portuguesa, pode observar-se que o “Eterno Acampamento” é muito mais que um lugar comum. A sua construção e utilização na gíria escotista conseguiu ser um ponto de convergência nos conflitos de interpretação religiosa sobre o destino final de todos estes jovens cidadãos.

Palavras-chave


Escoteiros – Portugal – Eterno Acampamento – Protocolo – Juventude

Texto completo:

PDF

Referências


BADEN-POWELL, Robert. Escotismo para rapazes: um guia de educação para a cidadania. Lisboa: Associação dos Escoteiros de Portugal, 2018. 327 p.

FONTES, Paulo de Oliveira. Escutismo. In: AZEVEDO, Carlos Moreira (dir.). Dicionário de história religiosa de Portugal: C–I. Lisboa: Círculo de Leitores, 2000. p. 168-71. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

GRAÇA, Gonçalo Brito. Padre Abílio da Silva Mendes: Fundador do escutismo católico no Barreiro. Olhares. Barreiro: Corpo Nacional de Escutas, 2013. 174 p.

GRAÇA, Gonçalo Brito. Resistências à instrução militar no escotismo português (1913-1926). In: FERREIRA, Ana Sofia; MADEIRA, João;

CASANELLAS, Pau (eds.). Violência política no século XX: Um balanço. Lisboa: Instituto de História Contemporânea/Universidade Nova de Lisboa, 2017. p. 195-208. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

GRAÇA, Gonçalo Brito. Ascensão e queda do culto a Nuno Álvares Pereira no escotismo português (1923-1936). Forma Breve. Aveiro, n. 15, p. 401–11, 2018. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

KIPLING, Rudyard. O livro da selva. Traduzido por José Francisco dos Santos. Lisboa: Livros do Brasil, 1985. 200 p.

LEAL, Ernesto Castro. República portuguesa, secularização e novos símbolos (1910-1926). História – Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, v. 11, p. 121-134, 2010. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

MILLS, Sarah. “An Instruction in Good Citizenship”: Scouting and the Historical Geographies of Citizenship Education. Transactions of the Institute of British Geographers. London, v. 38, n. 1, p. 120-134, 2013. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

PINTASSILGO, Joaquim; COSTA, Rui Afonso da. Morte e pedagogia cívica no contexto republicano português: os funerais dos “grandes mortos” nas primeiras décadas do Século XX. Cadernos de História da Educação. Uberlândia, v. 17, n. 1, p. 198, 212, jan./abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

REIS, João Vasco. Corpo Nacional de Escutas: uma história de factos (subsídios). Lisboa: Corpo Nacional de Escutas - Escutismo Católico Português, 2007. 590 p.

RIBEIRO, Eduardo. História dos Escoteiros de Portugal. Lisboa: Aliança Nacional das ACM de Portugal, 1982. 226 p.

RODRIGUES, Albertino da Silva, O.F.M. O escutismo e a transmissão da fé. Braga: Editorial Franciscana, 2013. 127 p.

ROSAS, Fernando. Lisboa revolucionária: 1908 - 1975. 1. ed. Lisboa: Tinta-da-china, 2010. 192 p.

SALESIANUS. O Saboá: Alma de neve e de púrpura. Mogofores: Instituto Salesiano, 1945. 114 p.

SILVA, Sara Raquel Duarte Reis da. Grandes Clássicos de versões mini: o caso de O Livro da Selva, de Rudyard Kipling. Poiésis - Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação. Tubarão, v. 12, nº esp., p. 90–105, 2018. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.

TEIXEIRA, Alfredo. Religião na sociedade portuguesa. Ensaios da Fundação 93. Lisboa: Fundação Francisco Manuel dos Santos, 2019. 108 p.

VAQUINHAS, Irene. Morte. In: MATTOSO, José (ed.). História da vida privada em Portugal: A Época Contemporânea. Lisboa: Temas e Debates, 2011. p. 178-193.

VICENTE, Ana Cláudia S. D. A introdução do escutismo em Portugal. Lusitania Sacra. Lisboa, 2º série, v. 16, p. 203–45, 2004. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2020.v5i9.109-124

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons