Plum Analytics

Ventilador mecânico como obstáculo para o cuidado confortante em unidade de terapia intensiva - Mechanical ventilator as an obstacle to comforting care in an intensive care unit

Fernanda Maria do Carmo da Silveira Neves de Oliveira, Viviane Reis Fontes da Silva, Genaine Mendes Marques, Carlos Roberto Lyra da Silva

Resumo


Objetivo: identificar a partir da fala de enfermeiras se o ventilador mecânico se configura como obstáculo para o cuidado de enfermagem confortante em unidade de terapia intensiva. Método: Estudo descritivo-exploratório, de abordagem qualitativa. A coleta de dados foi realizada em uma unidade de Assistência, Ensino, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz, localizada na cidade do Rio de Janeiro-RJ, no período compreendido entre julho e agosto de 2011. Resultados: Nas respostas das enfermeiras sujeitos-objeto, verificamos que 64,7% acreditam que o ventilador mecânico pode dificultar a prestação de cuidados confortantes à criança em terapia intensiva pediátrica, enquanto que, para os 25,3% apontam que em momento algum o ventilador mecânico interfere ou se torna um obstáculo para a oferta de cuidados de enfermagem que possam contribuir para a promoção ou a manutenção do conforto no corpo do paciente pediátrico necessitado desta tecnologia para se manter vivo, independentemente de sua situação clínica, inclusive, aqueles que se encontram acordados e em condições de comunicação não verbal. Conclusão: Discorrendo sobre a tecnologia humanizada, que trago aqui significando aquela que leva em consideração o paciente como um todo, na obra que discute a possibilidade de uma tecnologia humanizada nos deparamos com o que pode parecer eficaz por uma definição limitada e que pode ser altamente ineficiente se o tempo e o campo de ação do estudo forem ampliados. Neste pensamento, se nos detivermos ao estudo do ventilador mecânico somente do ponto de vista biomédico o consideraremos eficaz, pois equilibra a dinâmica respiratória e restabelece a oxigenação celular, conforme esperado.

Texto completo:

PDF-PT

Referências


Silva CRL. O conceito de conforto na perspectiva de clientes e de enfermeiras em unidade de internação hospitalar [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Escola de Enfermagem Anna Nery; 2008.

Mcilveen, K e Morse, J. The role of comfort in nursing car: 1900-1980. Clinical Nursing Research. 1995.

SILVA, Carlos Lyra da et al. Aspectos epistemológicos do conceito de cuidado/conforto: objeto de trabalho e objeto de conhecimento de enfermagem. Cogitare Enfermagem, [S.l.], v. 16, n. 2, jun. 2011. ISSN 2176-9133. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2020. doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v16i2.17093.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2007.

Bachelard G. A formação do espírito científico. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto; 1996.

Lobiondo-Wood G; Harber J. Pesquisa em Enfermagem: métodos, avaliação critica e utilização. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2008.

Lyra da Silva, Carlos Roberto; de Carvalho, Vilma; Almeida de Figueiredo, Nébia Maria. Predicações de conforto na perspectiva de clientes e de enfermeiros. Cogitare Enfermagem, [S.l.], v. 16, n. 1, mar. 2011. ISSN 2176-9133. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2020. doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v16i1.21111.

Silva, RC; Porto, IS; Figueiredo, NMA. Reflexões acerca da assistência de enfermagem e o discurso de humanização em terapia intensiva. Revista de Enfermagem EEAN/UFRJ, Rio de Janeiro, v. 12, n° 1, p.156-9, mar. 2008.

Maslow, Abraham H. A theory of human motivation. 1943. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2012.

Silva CRL, Carvalho V, Figueiredo NMA, Tonini T. Conceito de cuidado/conforto: objeto de trabalho e objeto de conhecimento de enfermagem. Cogitare Enferm. [Internet] 2011 Abr/Jun [acesso em 21 jul 2012]; 16(2):357-60. Disponível: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare/article/view/17093/14220.

Fromm, E. A revolução da esperança - por uma tecnologia humanizada. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

Louro L da FM, Santiago LC, Louro TQ, Ribeiro YC, Silva RCL da, Silva CRL da.

Aburdene, P e Naisbith J. Megatendências para Mulheres. 1ª ed. Rio Grande do Sul: Rosa dos Tempos, 1993.

Abbagnano, N. Dicionário de Filosofia. Tradução por Alfredo Bosi. São Paulo: Martins Fontes. 2007. Tradução de: Dizionario di Filosofia.

Silva CRL da, Abrão FM da S, Oliveira RC de, Louro TQ, Moura L da F, Silva RCL da. Representações sociais de enfermeiros sobre o processo de morte e morrer em UTI/ Social representations of nurses on the process of death and dying in ICU




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2675-4932.rectis.v1.9886 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Eletrônica de Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

SCImago Institutions Rankings