The death and die process for nursing team of intensive therapy center / O processo de morte e morrer para equipe de enfermagem do centro de terapia intensiva

Carla Suellen Lisboa Carneiro Seiffert, Karina de Oliveira Freitas, Gleidiane Oliveira Monteiro, Esleane Vilela Vasconcelos

Resumo


Objetivo: Descrever as percepções da equipe de enfermagem do Centro de Terapia Intensiva sobre o processo de morte e morrer e suas implicações para o cuidado de enfermagem. Métodos: Pesquisa descritiva com abordagem qualitativa, realizada com nove técnicos de enfermagem e seis enfermeiros da terapia intensiva, no período de 03 a 31 de outubro de 2016. Resultados: Os depoimentos foram consolidados em três unidades temáticas: “O Centro de Terapia Intensiva e o processo de morte e morrer”, “Repercussão do processo de morte e morrer para o cuidado de enfermagem” e “Sentimentos dos profissionais de enfermagem perante a morte no centro de terapia intensiva”. Conclusão: Através desta, foi possível discorrer sobre as percepções dos profissionais de enfermagem sobre o processo de morte e morrer e evidenciar que apesar do surgimento de sentimentos negativos perante a morte, não houve grandes repercussões na prestação do cuidado por eles oferecido.


Palavras-chave


Cuidados intensivos; Enfermagem; Morte

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Santana JCB, Campos ACV, Dutra BS, Borges CM, Souza AB, Santos VH. O cuidado humanizado sob a percepção dos enfermeiros. Enferm rev. 2012; 15(1):47-57.

Azeredo NSG, Rocha CFC, Antonacci PS. O enfrentamento da morte e do morrer na formação de acadêmicos de medicina. Rev Bras Educ Med. 2011; 35(1):37-43.

Silveira LC, Brito MB, Portella SDC. Os sentimentos gerados nos (as) profissionais enfermeiros (as) diante o processo morte/ morrer do paciente. Rev Enferm Contemp. 2015;4(2):152-69.

Santos DC, Silva MM, Moreira MC, Zepeda KG, Gaspar RB. Planejamento da assistência ao paciente em cuidados paliativos na terapia intensiva oncológica. Acta Paul Enferm [Internet]. 2017 [Acesso 06 set 2017]; 30(3):295-300. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002017000300295&lng=pt&tlng=pt.

Lima ABS, Oliveira LP, Sá KVCS, Silva EL, Caldas AJM, Rolim ILTP. Sentimentos e percepções da enfermagem frente ao processo de morte e morrer: revisão integrativa. Rev Pesq Saúde. 2016; 17(2):116-21.

Picanço CM, Sadigursky D. Concepções de enfermeiras sobre o prolongamento artificial da vida. Rev Enferm UERJ. 2014;22(5):668-73.

Santos MA, Hormanez M. Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciênc Saúde Coletiva. 2013; 18(9):2757-68.

Ferreira ABH. Novo dicionário eletrônico Aurélio. Versão 7.0. Editora positivo. Curitiba, 2010. 1 cd-rom.

Kovács MJ. Educação para a morte desafio na formação de profissionais da saúde e educação. 2 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, FAPESP; 2012.

Braun V, Clarke V. 'Using thematic analysis in psychology'. Qualitative research in psychology. 2006; 3(2): 77-101.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. [Internet]. Publicada no DOU nº 12 – quinta-feira, 13 de junho de 2013 – seção 1 – página 59. [Acesso 04 jan 2017]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/reso466.pdf.

Sousa VJ. A importância dos cuidados de enfermagem prestados em terapia intensiva a pacientes em processos hemodialíticos venovenosos contínuos: Pesquisa Bibliográfica. Rev Eletrôn Atualiza Saúde: Salvador. 2015; 1(1):99-108.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.338, de 3 de outubro de 2011. Estabelece diretrizes e cria mecanismos para implantação do componente Sala de Estabilização (SE) da Rede de Atenção as Urgências. [Internet] 2011. [Acesso 04 set 2017]. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2338_03_10_2011.html.

Sanches PG, Carvalho MDDEB. Vivência dos enfermeiros de unidade de terapia intensiva frente à morte e o morrer. Rev Gaúch Enferm. [Internet]. 2009 [acesso 29 ago 2017]; 30(2):289-96. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/revistagauchadeenfermagem/article/ view/3294/6687.

Alcantara LS, Sant’Anna JL, Souza MG. Illness and finitude: considerations about the interdisciplinary approach in the oncological Intensive Care Unit. Ciênc Saúde Coletiva. 2013; 18(9):2507-14.

Marengo MO, flávio DA, Silva RHA da. Terminalidade de vida: bioética e humanização em saúde. Medicina (Ribeirão Preto). [Internet]. 2009 [Acesso 03 out 2012]; 42(3):350-7. Disponível em:http://www.fmrp.usp.br/revista/2009/vol42n3/rev_terminalidade_de_vida.pdf.

Barbosa AMGC, Massaroni L. Convivendo com a morte e o morrer. Rev Enferm UFPE. 2016; 10(2):457-63.

Souza LPS, Ribeiro, JM, Rosa RB, Gonçalves RCR, Silva CSO, Barbosa DA. A morte e o processo de morrer: sentimentos manifestados por enfermeiros. Enferm Global. 2013; (32):230-7.

Bernieri J, Hirdes A. O preparo dos acadêmicos de enfermagem brasileiros para vivenciarem o processo morte-morrer. Texto contexto enferm. 2007; 16(1):89-96.

Gutierrez BAO, Ciampone MHT. O processo de morrer e a morte no enfoque dos profissionais de enfermagem de UTIs. Rev Esc Enferm. 2007; 41(4): 660-7.

Nascimento VF, Maciel MM, Terças ACP, Lemes AG, Hattori TY, Nascimento VF, et al. Apreensões e sentimento de fé de familiares no ambiente de cuidado intensivo. Rev Gestão & Saúde. 2015; 6(3):2639-55.

Santana JCB, Dutra BS, Carlos JMM, Barros JKAD. Ortotanásia nas unidades de terapia intensiva: percepção dos enfermeiros. Rev Bioét. 2017; 25(1):158-67.

Almeida CSL, Sales CA, Marcon SS. O existir da enfermagem cuidando na terminalidade da vida: um estudo fenomenológico. Rev Esc Enferm USP. [Internet]. 2014 [Acesso 09 Agosto 2017];48(1):34-40. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342014000100034&lng=pt&tlng=pt.

Rodrigues IG, Zago MM. A morte e o morrer: maior desafio de uma equipe de cuidados paliativos. Cienc Cuid Saúde. 2012; 11(suplem):31-38.

Salum MEG, Kahl C, Cunha KS, Koerich C, Santos TO, Erdmann AL. Processo de morte e morrer: desafios no cuidado de enfermagem ao paciente e família. Rev Rene. 2017; 18(4):528-35.

Frias C. O cuidar da pessoa em fim de vida como experiência formadora. Rev Enferm. [Internet]. 2012 [acesso 07 ser 2017]; (1):13-22. Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/aven/v30n1/ v30n1a02.pdf

Trindade VL, Salmon VRR. Sistematização de enfermagem: morte e morrer. Rev Faculdades Santa Cruz. 2013; 9(2):115-37.

Silva Júnior FJG, Santos CSL, Moura PVS, Melo BMS, Monteiro CFS. Processo de morte e morrer: evidências da literatura científica de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2011; 64(6): 1122-6.

Silva RS, Pereira A, Nóbrega MML, Mussi FC. Construction and validation of nursing diagnoses for people in palliative care. Rev Latino-am Enfermagem. [internet]. 2017 [Acesso 15 jan 2018]; 25:e2914. Disponível em: http//www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0104-11692017000100362&Ing=p&nrm=iso&tlng=p.

Magalhães JC. Cuidar em fim de vida: experiência durante a formação inicial de enfermeiros. Lisboa: Coisas De Ler, 2009.

Vieira M. Ser enfermeiro: da compaixão à proficiência. 2ª edição. Lisboa: Universidade Católica, 2009

Kübler-Ross E. Sobre a morte e o morrer: o que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e aos seus próprios parentes. Tradução de Paulo Menezes. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Borges MS, Mendes N. Representações de profissionais de saúde sobre a morte e o processo de morrer. Rev bras enferm. 2012; 65(2): 324-331.

Vicensi MC. Reflection on death and dying in the ICU from a professional perspective in intensive care. Rev Bioet. 2016; 24(1):64-72.

Santos EC, Oliveira IC, Feijão AR. Validation of a Nursing care protocol for patients undergoing Palliative care. Acta Paul Enferm. 2016; 29(4):363-73.

Bandeira D, Cogo SB, Hildebrandt LM, Badke MR. Death and dying in the formation process of nurses from the perspective of nursing professors. Texto Contexto Enferm. 2014; 23(2):400-7.

Franco, HCP, et al. Papel da enfermagem na equipe de cuidados paliativos: a humanização no pro-cesso da morte e morrer. Rev Gestão & Saúde 2017;17(2): 48-61.

Silva LS, Radomile MES, Vizelli AC, Santos MOO. A morte no contexto hospitalar: a visão de uma equipe de enfermagem. [Internet]. 2009 [Acesso 23 set 2017]; Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo.php?codigo=A0463.

Galvão NAR, Castro PF, Paula MAB, Souza MTS. A morte e o morrer sob a ótica dos profissionais da saúde. Revista Estima [Internet]. 2010 [Acesso 15 set 2017]; 8(4):26-34. Disponível em: http://www.revistaestima.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=47:artigo- original-2&catid=17:edicao-vol-84&Itemid=88.

Salimena AMO, Ferreira GC, Melo MCS, Souza IEO. Significado da morte do paciente cirúrgico no vivido da equipe de enfermagem. Rev Enferm, 2014; 4(3): 645-51.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.7242 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2020 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

SCImago Institutions Rankings

 

  

 

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.