Basic human needs in intensive care / Necessidades humanas básicas em terapia intensiva

Priscilla Tereza Lopes de Souza, Jocelly de Araújo Ferreira, Elizandra Cassia da Silva Oliveira, Nayda Babel Alves de Lima, Juliana da Rocha Cabral, Regina Celia de Oliveira

Resumo


Objetivo: Analisar o conhecimento da equipe de enfermagem acerca das necessidades humanas básicas dos pacientes críticos internos na Unidade de Terapia Intensiva sob a luz da teoria das necessidades humanas básicas de Wanda de Aguiar Horta. Métodos: Estudo exploratório, descritivo, com abordagem quantitativa. Amostra de 100 profissionais de enfermagem em terapia intensiva adulto. Resultados: Predominância dos aspectos psicobiológico: cuidado corporal (11,7%), oxigenação e nutrição (11,6%); baixo predomínio dos aspectos psicossociais. A interação com a equipe multiprofissional (25,2%), iniciativa do profissional (19,50%) e disponibilidade de recursos humanos compatíveis (16,72%) favorecem a percepção das necessidades humanas básicas do paciente, enquanto o estresse (23,74%), quantitativo de paciente para um enfermeiro/técnico (22,57%) e a rotatividade da equipe (14,01%) dificultam. Conclusão: A equipe de enfermagem conhece as necessidades humanas básicas do paciente critico,centralizada nos aspectos psicobiológicos com distanciamento dos aspectos sociais e religiosos na pratica assistencial. 


Palavras-chave


Terapia Intensiva; Enfermagem; Humanização; Qualidade da Assistência à Saúde.

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Sanches RCN, Gerhardt PC, Rêgo AS, Carreira L, Pupulim JSL, Radovanovic CAT. Percepções de profissionais de saúde sobre a humanização em unidade de terapia intensiva adulto. Esc Anna Nery. 2016;20(1):48-54. 2. Farias FBB, Vidal LL, Farias RAR, JesusACP. Cuidado humanizado em UTI: desafios na visão dos profissionais de saúde. J. Res.: fundam. care. Online. 2013;5(4):635-42. 3. Pupulim JSL, Sawada NO. Exposição corporal do cliente no atendimento das necessidades básicas em UTI: incidentes críticos relatados por enfermeiras Rev. Latino-am Enfermagem.2005; 13(3):388-96. 4. Souza PTL et al. Necessidades especiais no centro de terapia intensiva: fatores agravantes e atenuantes. Revista de Enfermagem UFPE on line.2015;9(7):9069-77. 5. Tannure MC,Chianca TCM, Bedran T,Werli A,Andrade CR. Validação de instrumentos de coleta de dados de enfermagemem unidade de tratamento intensivo de adultos. remE – Rev. Min. Enferm.2008;12(3):370-80. 6. Bordinhão RC, Almeida MA. Instrumento de coleta de dados para pacientes críticos fundamentado no modelo das necessidades humanas básicas de horta. Rev. Gaúcha Enferm.2012;33(2):125-31. 7. Ribeiro AC,Ramos LHD, Mandú ENT. Perfil sociodemográfico e profissional de enfermeiros de um hospital público de Cuiabá – MT. Ciência, Cuidado e Saúde. 2014;13(4):625-33. 8. Dias JD, Mekaro KS, Tibes CMS, Zem-Mascarenhas SH. Compreensão de enfermeiros sobre segurança do paciente e erros de medicação. Rev. Min Enferm. 2014; 18(4): 866-73. 9. Araujo Neto JD, Silva ISP, Zanin LE, Andrade AP, Moraes KM. Profissionais de saúde da unidade de terapia intensiva: percepção dos fatores restritivos da atuação multiprofissional Rev Bras Promoç Saúde.2016;29(1):43-50. 10. Rodrigues YCSJ, Studart RMB, Andrade IRC, Citó MCO, Melo EM, Barbosa IV. Ventilação mecânica: evidências para o cuidado de enfermagem. Esc Anna Nery (impr.).2012; 16 (4):789-95. 11. Salgado PO,Tannure MC, Oliveira CR, Chianca TCM.Identificação e mapeamento das ações de enfermagem prescritaspara pacientes internados em uma UTI de adultos Rev Bras Enferm. 2012; 65(2):291-6. 12. Medeiros AC, Siqueira HCH, Zamberlan C, Cecagno D, Nunes SS, Thurow MRB. Comprehensiveness and humanization of nursing care management In the Intensive Care Unit. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(5):816-22. 13. Oliveira MAC. (Re) significando os projetos cuidativos da Enfermagem à luz das necessidades em saúde da população. Rev Bras Enferm. 2012; 65(3):401-5. 14. Freitas JS, Silva AEBC, Minamisava R, Bezerra ALQ, Sousa MRG. Qualidade dos cuidados de enfermagem e satisfação do paciente atendido em um hospital de ensino. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2014;22(3):454-60. 15. Colaço AD, Nascimento ERP. Bundle de intervenções de enfermagem em nutrição enteral na terapia intensiva: uma construção coletiva. Rev Esc Enferm USP .2014; 48(5):844-5. 16. Castaño AMH, Amaya MCDP. CEI-UCI: instrumento para evaluar el cuidadode enfermería individualizado de adultos en la uci. Av Enferm. 2015;33(1):104-113. 17. Rojas NP, Bustamante-Troncoso CR, Dois-Castellón A. Comunicación entre equipo de enfermería y pacientes con ventilación mecánica invasiva en una unidad de paciente crítico. Aquichan 2014; 14(2):184-95. 18. Novaretti MCZ, Santos EV, Quiterio LM, Daud-Gallotti RM. Sobrecarga de trabalho da Enfermagem e incidentes e eventos adversos em pacientes internados em UTI. Revista Brasileira de Enfermagem.2014;67(5):692-99. 19. Carvalho AO, Carlos GP, Souza NL. Nursing workload and occurrence of adverse events in intensive care: a systematic review. Rev. esc. enferm. USP. 2016; 50(4):683-94.

BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada Nº 26. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Available at:. Acesso em: 11 de agosto de 2016. 21. Rodrigues YCSJ, Studart RMB, Andrade IRC, Citó MCO, Melo EM, Barbosa IV. Ventilação mecânica: evidências para cuidado de enfermagem. Esc Anna Nery (impr.).2012;16(4):789-95.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i4.1011-1016 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge