The nursing professionals’ knowledge with regards to the nursing care systematization / Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre a sistematização da assistência de enfermagem

Main Article Content

Rachel Mola
Megliane Lopes Dias
Josely de França Costa
Flávia Emília Cavalcante Valença Fernandes
Gerlene Grudka Lira

Resumo

Objetivo: Avaliar o conhecimento dos profissionais de Enfermagem sobre Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE). Métodos: Pesquisa exploratória, quantitativa, descritiva e analítica, realizada com 105 profissionais de Enfermagem assistenciais em Hospital Universitário no período de Janeiro à Maio de 2017. Foi aplicado questionário semiestruturado cujos dados foram apresentados por estatística descritiva e analítica adotando-se 5% de significância e 95% de confiança. Foram utilizados os testes de Mann-Whitney, Exato de Fisher e Qui-quadrado de Person para associação bivariada. Pesquisa aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa, CAAE 57875216.2.0000.5207. Resultados: Amostra constituída de 74,3% Técnicos de Enfermagem e 25,7% Enfermeiros, prevalência do sexo feminino, solteiros, que não realizaram aperfeiçoamento sobre SAE. Conclusão: Existem lacunas no conhecimento sobre SAE, sendo necessário aprimorar o ensino nas instituições de formação técnica e superior, estimular a qualificação profissional e treinamento da equipe para utilização dos instrumentos relacionados ao Processo de Enfermagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Mola R, Dias ML, Costa J de F, Fernandes FECV, Lira GG. The nursing professionals’ knowledge with regards to the nursing care systematization / Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre a sistematização da assistência de enfermagem. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de julho de 2019 [citado 16º de junho de 2021];11(4):887-93. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/6700
Seção
Research
Biografia do Autor

Rachel Mola, Universidade de Pernambuco

Enfermeira. Docente Assistente pela Universidade de Pernambuco (UPE). Doutoranda em Enfermagem (UPE/UEPB), Especialista em Estomaterapia (UPE) e Terapia Intensiva (IBPEX). Universidade de Pernambuco (UPE), Campus Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Megliane Lopes Dias, Universidade de Pernambuco

Enfermeira, Universidade de Pernambuco (UPE), Campus Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Josely de França Costa, Universidade de Pernambuco

Enfermeira, Universidade de Pernambuco (UPE), Campus Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Flávia Emília Cavalcante Valença Fernandes, Universidade de Pernambuco

Enfermeira. Docente Assistente pela Universidade de Pernambuco (UPE). Doutoranda em Inovação Terapêutica (UFPE), mestre em Gestão e Economia da Saúde (UFPE), Campus Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Gerlene Grudka Lira, Universidade de Pernambuco

Enfermeira. Professora assistente da UPE. Especialista em nefrologia e enfermagem do trabalho. Mestre em Ciências da Saúde, Campus Petrolina, Pernambuco, Brasil.

Plum Analytics

Referências

Santos WN. Systematization of nursing care: the historical context, the process and obstacles to deployment. J. Manag. Prim Health Care, 2014; v.5 n.2 p.153-8. 2. Neco KKS. et al. Sistematização da assistência de enfermagem em instituições de saúde no Brasil: revisão integrativa, Rev enferm UFPE on line; Recife, jan., 2015; 9(1):193-200. 3. Horta WA. Processo de Enfermagem. São Paulo; EPU, 1979. 4. Carpenito LJ. Diagnósticos de enfermagem: aplicação a pratica clínica, 11º ed; Porto Alegre, Artmed, 2009; p 25. 5. Meneses SRT, Priel MR, Pereira LL. Autonomia e vulnerabilidade do enfermeiro na prática da Sistematização da Assistência de Enfermagem. Rev. esc. enferm. USP São Paulo, ago, 2011; v.45, n.4. 6. COFEN. Resolução COFEN-358/2009. Brasília, 2009. Available at: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html Acesso em: 22/06/2017. 7. Ministério da Educação. EBSERH Hospitais Universitários Federais. Hospital Universitário da Universidade do Vale do São Francisco. Brasília, 2016. Available at: http://www.ebserh.gov.br/web/hu-univasf. Acesso em: 16 de Junho de 2017. 8. CNES - Cadastramento Nacional dos Estabelecimentos de Saúde, DATASUS. Available at: http://cnes.datasus.gov.br. Acesso em: jun de 2017. 9. COREN-SP. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Cresce a presença masculina na Enfermagem. Enfermagem revista. abr, 2014; 48-51. Available at: <http://portal.corensp.gov.br/sites/default/ files/48_homem_na_enfermagem.pdf#overlay-context=node/39376>. Acesso em: 07 de jun. de 2017. 10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Síntese de Indicadores Sociais Uma análise das condições de vida da população brasileira 2015. Rio de Janeiro – RJ, 2015. ISSN 1516-3296. 11. Machado MH, et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sociodemográfico. Enferm. Foco. RJ, 2016; 7 (ESP): 09-14. 12. Fiocruz. Conselho Federal de Enfermagem. Conselho Regional de Enfermagem. Perfil da Enfermagem no Brasil. Brasília 2016. 13. Ministério da Educação. EBSERH Hospitais Universitários Federais. Plano de cargos, carreiras e salários. Diretoria de gestão de pessoas. Brasília, 2016. Available at: www.ebserh.gov.br/web/portal-ebserh/ empregados. Acesso em: 16 de Junho de 2017. 14. Macêdo DF, Gomes CMF, Costa ACS, Finger AB. Análise do concurso público como instrumento de seleção de pessoal no setor público: percepção de um grupo de servidores de instituições federais de ensino superior. Sociais e humanas; Santa Maria, 2016 jan/abr; 29(1):92-110. 15. Lima DWC, Silveira LC, Vieira AN, Cunha BMC, Almeida ANS, Guerreiro EM. Referenciais teóricos que norteiam a prática de enfermagem em saúde mental. Esc. Anna Nery. 2014; 18(2):336-42. 16. Moreira, LHD. Identificação das principais teorias de enfermagem utilizadas nos diferentes níveis de atenção à saúde no município de Assis-SP. FEMA. Monografias. SP, 2016. 17. Felix NN, Rodrigues CDS, Oliveira VDC. Desafios encontrados na realização da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) em unidade de pronto atendimento Arq Ciênc Saúde 2009 out-dez; 16(4):155-60. 18. Silva EGC, Oliveira VC, Neves GBC, Guimarães TMR. O conhecimento do enfermeiro sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem: da teoria à prática. Rev Esc Enferm USP 2011; 45(6):1380-6. 19. Matté VM, Thofhern MB, Muniz, RM. Opinião dos enfermeiros quanto à aplicabilidade do processo de enfermagem em uma unidade de tratamento intensivo. R. gaúcha Enferm. Porto Alegre, jan 2001; v.22, n.1, p.101-21. 20. Reppetto MA, Souza MF. Avaliação da realização do registro da sistematização da assistência de enfermagem em um hospital universitário. Rev Bras Enferm. SP, 2005 maio-jun; 58(3):325-9. 21. Lima FET; Mendonça LBA, Farias LMVC, Pinheiro FR, Dantas KB. Processo de Enfermagem: aplicação em hospitais de Fortaleza – Ceará. 17º SENPE. Natal 2013. 22. Vasconcelos CP, Boaventura PP, Lima LR de et al. Nurses’ knowledge about Systematization… Rev enferm UFPE on line. 2011 jan/fev; 5(1):10-9 16 ISSN: 1981-8963 DOI: 10.5205/reuol.1137-10464-1LE.0501201102.

Received in: 01/08/2017 Required revisions: 12/09/2017 Approved in: 14/09/2017 Published in: 01/07/2019

Corresponding author Rachel Mola Address: Rodovia BR 203, Km 2, S/N – Vila Eduardo, Petrolina, Pernambuco, Brazil Zip Code: 56.328-903 Telephone number: +55 (87) 3866-6470 E-mail address: rachelmola@yahoo.com.br

Disclosure: The authors claim

to have no conflict of interest.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Federal de Enfermagem – COFEN. Resolução nº 358/2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 24. DUARTE APP, ELLENSOHN L. A operacionalização do processo de enfermagem em terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2007 out-dez; 15(4): 521-6. 25. Bonadia PR. A Relação Entre o Nível de Escolaridade e a Renda no Brasil. Faculdade de Economia e Administração. São Paulo- SP. 2008. 26. Ruas LHS, Silva LMR, Aguiar MF, Costa FM. Sistematização da assistência de enfermagem: conhecimento da equipe de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, setembro 2013; Ano 18, nº 184. 27. Oguisso T, Schmidt MJ. O exercício da Enfermagem: uma abordagem ético-legal. 3.ed. Atual. e Ampl. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. 28. Andrade JSD, Vieira MJ. Prática assistencial de enfermagem: problemas, perspectivas e necesidade de sistematização. Rev. bras. enferm.

[Internet]. 2005 june [cited 2017 jun 11]; 58(3): 261-5. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S003471672005000300002&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S003471672005000300002. 29. Oliveira D, Processo sistematizado de enfermagem fundamentado na teoria de Wanda Horta - possibilidades e limites. Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, 2001.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)