Co-infection in hiv/aids-bearing people from a specialized care service of the interior region of maranhão state / Coinfecção em portadores de hiv/aids de um serviço de atendimento especializado do interior maranhense

Jainara Maria Vieira Galvão, Francilene de Sousa Vieira, Jaime Vieira Galvão, Ana Carla Marques da Costa

Resumo


OBJETIVO: Caracterizar a ocorrência de coinfecções em portadores de HIV em um Serviço de Atendimento Especializado do Interior maranhense. METÓDOS: Pesquisa de campo, quantitativa, transversal, retrospectiva e do tipo documental, constituída por 390 prontuários compreendidos no período de 2005 a 2014, analisados através do programa estatístico SPSS 21.0. RESULTADOS: As coinfecções mais prevalentes foram às doenças que atingem pele e mucosas, dermatite persistente inespecífica 41 (14,6%), candidíase oral 32 (11,4%) e escabiose 27 (9,7%), cujo aparecimento ocorre em até três anos após diagnostico de HIV, quando os níveis de CD4 e carga viral nas PVHA apresentaram carga viral menor que 10.000mm³ e CD4 de 200 a 499mm³.CONCLUSÃO: O aparecimento das coinfecções está intimamente ligado àquelas pessoas com baixo nível de escolaridade e quase 100% dos pacientes adquiriram outra infecção com até três anos após diagnostico de HIV. 


Palavras-chave


HIV;Infecções Sexualmente Transmissíveis;Coinfecção

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde.

Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Recomendações para

a prática de atividades físicas para pessoas vivendo com HIV e aids.

Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa

Nacional de DST e Aids. Recomendações para terapia Antirretroviral

em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV. Brasília: Ministério

da Saúde; 2009

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde.

Departamento de Atenção Básica. HIV/Aids, hepatites e outras DST/

Ministério da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Departamento de DST e Hepatites Virais.

Comorbidades não infecciosas relacionadas ao HIV e toxicidade ao

tratamento antirretroviral. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Programa

Nacional de DST e Aids. Recomendações para Terapia Anti-Retroviral

em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV. Brasília: Ministério

da Saúde; 2006.

Zanella LCH. Metodologia de estudo e de pesquisa em administração.

Departamento de Ciências da Administração/UFSC; [Brasília]:

CAPES :UAB; 2009.

Fontelles MG, Simões MG, Farias SH. Metodologia da Pesquisa

Científica: Diretrizes para a Elaboração de um Protocolo de Pesquisa.

Brasília; 2009.

Parker R, Camargo Jr, Kenneth R. Pobreza e HIV/AIDS: aspectos

antropológicos e sociológicos. Cad Saúde Pública. 2000; 16(Sup. 1):102.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde.

Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim

Epidemiológico: Hiv/Aids. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Bertoni RF. Perfil demográfico e socioeconômico dos portadores de

HIV/AIDS do Ambulatório de Controle de DST/AIDS de São José,

SC. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2010; 39(4).

Jung NR. Perfil Epidemiológico de Pacientes Portadores do HIV do

Serviço de Estomatologia do Hospital São Lucas da Pucrs: Estudo

Retrospectivo [Monografia]. Porto Alegre (RS): Faculdade de

Odontologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do

Sul; 2011.

Trevisol FS, Pucci P, Justino AZ, Pucci N, Silva ACB. Perfil

epidemiológico dos pacientes com HIV atendidos no sul do Estado

de Santa Catarina, Brasil, em 2010. Epidemiol Serv Saúde. 2013 mar;

(1):94.

Reis CT. A interiorização da epidemia de HIV/AIDS e o fluxo

intermunicipal de internação hospitalar na Zona da Mata - MG: uma

análise espacial (dissertação). Rio de Janeiro (RJ): Programa de Pósgraduação em Enfermagem, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio

Arouca; 2006.

Jesus SMC, Caldas AJM, Côrrea RGCF, et al. Características dos idosos

com hiv/aids notificados no estado do Maranhão. Rev Pesq Saúde.

ago; 15(2): 279.

Cabral JVB, Santos SSF, Oliveira CM. Perfil Sociodemográfico,

Epidemiológico e Clínico dos Casos de HIV/Aids em Adolescentes no

Estado de Pernambuco. Revista Uniara. 2015 jul; 18 (1).

Souza CC, Mata LRF, Azevedo C, Gomes CRG, Cruz GECP,

Toffano SEM. Interiorização do HIV/AIDS no Brasil: um estudo

epidemiológico. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2013 mar;

(35).

Affeldt AB, Silveira MF, Barcelos RS. Perfil de pessoas idosas vivendo

com HIV/aids em Pelotas, sul do Brasil, 1998 a 2013. Epidemiol Serv

Saúde. 2015 mar; 24(1):86.

Santos NJS. A aids no Estado de São Paulo. As mudanças no perfil

da epidemia e perspectivas da vigilância epidemiológica. Rev Bras

Epidemiol. 2002; 5(2).

Souza MG, Passos ADC, Machado AA, Figueiredo JFC, Esmeraldino

LE. Co-infecção HIV e vírus da hepatite B: prevalência e fatores de

risco. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2004

out;37(5).

Michelim L, Atti JL, Panarotto D, Lovatto L, Boniatti MM. Dermatoses

em pacientes infectados pelo HIV com a contagem de linfócitos CD4.

Rev Saúde Pública. 2004; 38(6).

Gomides MDA, Berbert ALCV, Oliveira AS, Rocha A, Ferreira MS,

Borges AS. Dermatoses em Pacientes com Aids: Estudo de 55 casos.

Uberlândia, MG, Brasil. Rev Assoc Med Bras. 2002; 48(1).

Santos Neto M, Silva FL, Sousa KR, Yamamura M, Popolin MP,

Arcêncio A. Perfil clínico e epidemiológico e prevalência da coinfecção

tuberculose/HIV em uma regional de saúde no Maranhão. J Bras

Pneumol. 2012; 38(6).

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde.

Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo Clínico

e Diretrizes Terapêuticas para Manejo da Infecção pelo HIV em

Adultos. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Gomes MLS. Coinfecção leishmaniose visceral e Aids no Brasil, 2001

a 2010 [Dissertação]. Rio de Janeiro ( RJ): Escola Nacional de Saúde

Pública Sergio Arouca; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde.

Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de

recomendações para diagnóstico, tratamento e acompanhamento de

pacientes com a coinfecção Leishmania-HIV. Brasília: Ministério da

Saúde; 2011.

Silva ACM, Barone AA. Fatores de risco para coinfecção HIV-hepatite

C. Rev Saúde Pública. 2006;40(3):488.

Coimbra DD. Manifestações cutâneas em indivíduos infectados

pelo HIV após 10 anos da introdução da terapia anti-retroviral

potente: experiência de três centros de atendimento dermatológicos

no Rio de Janeiro. [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Programa de

Pós- graduação em Pesquisa Clínica em Doenças Infecciosas, Instituto

de Pesquisa Clínica Evandro Chagas; 2009.

Vaz LP, Saddi VA, Amaral WN, Manoel WJ . Epidemiologia da

infecção pelo HPV em mulheres infectadas pelo HIV. FEMINA. 2011

jan; 39(1).

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde.

Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim

Epidemiológico-Aids e DST. Brasília; 2014.

Fonseca MGP. Dinâmica temporal da epidemia de aids no Brasil

segundo condição socioeconômica, no período 1986-1998. [tese]. Rio

de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública; 2002.

Franco RKCA. Proliferação da Aids na classe pobre e com baixo nível

de escolaridade no Nordeste do Brasil. Educação em Debate. 2010;

(60):149.

Bertoni RF. Perfil demográfico e socioeconômico dos portadores de

HIV/AIDS do Ambulatório de Controle de DST/AIDS de São José,

SC. Arquivos Catarinenses de Medicina.2010 ;39(4)

Motta WKS, Nóbrega DRM, Santos MGC, Gomes DQC, Godoy GP,

Pereira JV. Aspectos demográficos e manifestações clínicas bucais

de pacientes soropositivos para o HIV/Aids. Rev Odontol UNESP.

; 43(1).




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i4.1103-1110 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge