Alarm of monitoring invasive of blood pressure: are we giving the attention required?

Adele Kuckartz Pergher, Roberto Carlos Lyra da Silva

Resumo


O elevado número de alarmes sem relevância nas UTIs podem resultar em um retardo no tempo de reposta a alarmes relevantes. Objetivos: Identificar porque soam os alarmes de pressão arterial invasiva (PAI) e o tempo de resposta da equipe, descrever as condutas estabelecidas para saná-los. Métodos: Pesquisa descritiva de abordagem quanti/qualitativa. A observação ocorreu em uma UTI adulto de um hospital militar no Rio de Janeiro. Foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (CAAE 03284612.4.3001.5250). Considerou-se fatigados alarmes não atendidos em 10 minutos, ou que paravam de soar antes de terem sidos atendidos. Resultados: Registraram-se 76 alarmes de PAI; 21 (28%) foram atendidos, em média em 2,45 min. 55 (72%) alarmes foram considerados fatigados. Conclusão: O elevado número de alarmes fatigados representam risco. É um desafio responder a todos os alarmes considerando a relação enfermeiro/ paciente imposta pela ANVISA.


Palavras-chave


Alarmes clínicos; Fadiga; Segurança do paciente

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT


DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v7.4942 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge
SCImago Institutions Rankings