Intersectoral care in mental health in childhood and adolescence: beyond the health institution / Cuidado intersetorial em saúde mental na infância e adolescência: para além da instituição saúde

Main Article Content

Cristiane Kenes Nunes
Aline Basso da Silva
Luciane Prado Kantorski
Valéria Cristina Christello Coimbra
Agnes Olschowsky

Resumo

Objetivo: Discutir as vivências dos profissionais no cuidado em rede intersetorial voltado à criança e adolescente e suas articulações/trabalho no território. Métodos: Pesquisa qualitativa, exploratório-descritivo, desenvolvida com 26 trabalhadores da rede intersetorial, em um município do Rio Grande do Sul, entre os meses de maio a junho de 2014. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram entrevistas semiestruturadas com os depoimentos gravados e, posteriormente, transcritos na íntegra. Resultados: O profissional possui uma vivência de rede intersetorial, entendendo que esta rede deve partir de premissas como a interdisciplinaridade e o trabalho em conjunto. Que a rede de cuidado deve transpor serviços de saúde, ampliando olhares para projetos sociais e de inclusão. Conclusão: O território pode ser incorporado como um espaço de cuidado, de relações sociais e de modos de vida, sendo espaço também de vínculos entre profissionais e usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Nunes CK, da Silva AB, Kantorski LP, Coimbra VCC, Olschowsky A. Intersectoral care in mental health in childhood and adolescence: beyond the health institution / Cuidado intersetorial em saúde mental na infância e adolescência: para além da instituição saúde. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de maio de 2021 [citado 18º de agosto de 2022];12:233-8. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/8277
Seção
Research
Biografia do Autor

Cristiane Kenes Nunes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS

Enfermeira. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre-RS. Brasil. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior/CAPES.

Aline Basso da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Enfermeira. Doutora do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre-RS.

Luciane Prado Kantorski, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Enfermagem. Professora Titular da Faculdade de Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas-RS. Brasil.

Valéria Cristina Christello Coimbra, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Enfermagem. Professora Adjunta da Faculdade de Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas-RS. Brasil.

Agnes Olschowsky, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Enfermagem Psiquiátrica. Professora Titular da Escola de Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre-RS. Brasil.

Plum Analytics

Referências

Couto MCV; Delgado PGG. Crianças e adolescentes na agenda política da saúde mental brasileira: inclusão tardia, desafios atuais. Psic. Clin., Rio de Janeiro, 2015;27(1):17-40.

Ministério da Saúde. (BR). Estatuto da criança e do adolescente. 3. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008.

Delgado PGG. Saúde Mental e Direitos Humanos: 10 Anos da Lei 10.216/2001. Arq. bras. psicol. 2011;63(2):114-21.

Romagnoli RC, Amorim AKMAA, Severo AKS, Nobre MT. Intersetorialidade em saúde mental: tensões e desafios em cidades do sudeste e nordeste brasileiro. Revista Subjetividades, Fortaleza, 2017;17(3):157-68.

Ministério da Saúde. (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília (DF); 2013. 176 p

Kantorski LP, Nunes CK, Sperb LCSO, Pavani FM, Jardim VMR, Coimbra VCC. A intersetorialidade na atenção psicossocial infantojuvenil. J. res.: fundam. care. online 2014. abr./jun. 6(2):651-62.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Kantorski LP, Coimbra VCC, Oliveira NA, Nunes CK, Pavani FM, Sperb LCSO. Atenção psicossocial infantojuvenil: interfaces com a rede de saúde pelo sistema de referência e contrarreferência. Texto e Contexto Enfermagem, 2017;26(3):1-10.

Mota AS, Silva ALA, Souza ÂC. Educação permanente: Práticas e processos da enfermagem em saúde mental. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 2014. (Spe. 4):09-16.

Antonacci MH, Kantorski LP, Willrich JQ, Argiles CTL, Coimbra VCC, Bielemann VLM. Estrutura e fluxo da rede de saúde como possibilidade de mudança nos serviços de atenção psicossocial. Revista escola enfermagem USP, 2013;47(4):891-98.

Zaniani EJM, Luzio AC. A intersetorialidade nas publicações acerca do Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil. Psicologia Revista. 2014;20(1):56-77.

Lima EMFA, Yasui S. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde Debate, Rio de Janeiro, 2014;38(102):593-606.

Campos RTO, Ferrer AL, Gama CAP, Campos GWS, Trapé TL, Dantas DV. Avaliação da qualidade do acesso na atenção primária de uma grande cidade brasileira na perspectiva dos usuários. Saúde Debate. Rio de Janeiro. 2014;38(n. esp):252-64.

Tszesnioski LC, Nóbrega KBG, Lima MLLT, Facundes VLD. Construindo a rede de cuidados em saúde mental infantojuvenil: intervenções no território. Ciência e Saúde Coletiva, 2015;20(2):363-70.

Oliveira AKS, Araújo MS, Silva DFC. Conhecimento, diálogo e movimento: Sobre o desafio de tecer redes de atenção psicossocial. Veredas. Revista eletrônica de Ciências, 2014;7(2).

Saraceno B. Reabilitação Psicossocial: uma estratégia para o milênio. (In): Pitta A. Reabilitação Psicossocial no Brasil. São Paulo: HUCITEC; 2001.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>