The Nurse Approach Towards the Detection of Antecedent Signs and Symptoms of Sepsis in Patients at a Nursing Ward / O Enfermeiro na Detecção dos Sinais e Sintomas que Antecedem Sepse em Pacientes na Enfermaria

Main Article Content

Simone César Oliveira
http://orcid.org/0000-0002-1930-2039
Bruna Taboas Corrêa
http://orcid.org/0000-0003-2734-8990
Hanna Nogueira Dodde
http://orcid.org/0000-0001-6195-5263
Gicélia Lombardo Pereira
http://orcid.org/0000-0002-4032-2093
Beatriz Gerbassi Costa Aguiar
http://orcid.org/0000-0001-6815-4354

Resumo

Objetivo: Descrever os sinais e sintomas que antecedem a sepse em pacientes internados na Clínica Médica de um Hospital Federal no Rio de Janeiro identificados pelo Enfermeiro; analisar como o Enfermeiro correlaciona os sinais e sintomas com a Sepsis-1, Sepsis-2 e Sepsis-3. Métodos: Estudo descritivo com abordagem quantitativa, a população foram 10 Enfermeiros em plantões diurnos na enfermaria da Clínica. A coleta de dados foi um questionário estruturado, abordando identificação dos sinais e sintomas que antecedem a sepse, englobando as características e particularidades da sepse. Resultados: Evidenciou-se que possuem entendimento sobre o conceito de sepse, entretanto apresentaram dificuldades em correlacionar alguns dos sinais e sintomas dos tipos de sepse. Conclusão: Ciente que a sepse é um problema de saúde e o Enfermeiro presta cuidado direto ao paciente, percebe-se a importância na identificação dos sinais e sintomas que a antecedem para oferecer assistência de qualidade e auxiliar na redução dos casos.

Descritores: Enfermagem, Sepse, Sinais e sintomas, Síndrome de resposta inflamatória sistêmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
César Oliveira S, Taboas Corrêa B, Nogueira Dodde H, Lombardo Pereira G, Gerbassi Costa Aguiar B. The Nurse Approach Towards the Detection of Antecedent Signs and Symptoms of Sepsis in Patients at a Nursing Ward / O Enfermeiro na Detecção dos Sinais e Sintomas que Antecedem Sepse em Pacientes na Enfermaria. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 4º de outubro de 2019 [citado 2º de julho de 2022];11(5):1307-11. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/7551
Seção
Research
Biografia do Autor

Simone César Oliveira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Especialista em Enfermagem Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Especialista em Enfermagem do Trabalho pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER).

Bruna Taboas Corrêa, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Especialista em Enfermagem Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Especialista em Gestão Saúde da Família pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Hanna Nogueira Dodde, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Especialista em Enfermagem Clínica e Cirúrgica pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Gicélia Lombardo Pereira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Doutora em Ciências pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Membro do Laboratório de Cuidado e Experimentação em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Alfredo Pinto (EEAP/UNIRIO). Especialista em Gestão do Ambiente e Segurança pelo Consórcio Brasileiro de Acreditação (CBA).

Beatriz Gerbassi Costa Aguiar, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Membro do Laboratório de Cuidado e Experimentação em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Alfredo Pinto (EEAP/UNIRIO). Especialista em Investigação em Serviço de Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ).

Plum Analytics

Referências

Viana RAPP, Machado FR, Souza JLA. Sepse, um problema de saúde pública: a atuação e colaboração da enfermagem na rápida identificação e tratamento da doença. São Paulo: COREN-SP; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de vigilância e controle da peste. [Internet]. Brasília, DF; 2008. [citado em 2018 Mar 23]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_controle_peste.pdf

Carneiro AH, Póvoa P, Gomes JA. Dear Sepsis-3, we are sorry to say that we don't like you. Rev bras ter intensiva. [Internet]. 2017; 29(1); [citado em 2017 Dez 20]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-507X2017000100004&script=sci_arttext#B3

https://doi.org/10.5935/0103-507X.20170002

PMid:28444066 PMCid:PMC5385979

Singer M, et al. The Third International Consensus Definitions for Sepsis and Septic Shock (Sepsis-3). JAMA. [Internet]. 2016; 315(8); [citado em 2017 Dez 26]. Disponível em: https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticle/2492881

Instituto Latino Americano de Sepse. Roteiro de implementação de protocolo assistencial gerenciado: Campanha de sobrevivência à sepse. [Internet]. 2016. [citado em 2017 Set 30]. Disponível em: http://www.ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/roteiro-de-implementacao.pdf

Oliveira JB, Viana RAPP. Definições e condutas baseadas em evidencia. In: Viana RAPP. SEPSE para enfermeiros: as horas de ouro: identificando e cuidando do paciente séptico. São Paulo: Ateneu; 2013. P. 47-55.

Reinhart K, Daniels R, Machado FR. O ônus da sepse: uma chamada em apoio ao Dia Mundial da Sepse 2013. Rev bras ter intensiva. [Internet] 2013; 25(1); [citado em 2017 Set 30]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v25n1/02.pdf

https://doi.org/10.1590/S0103-507X2013000100002

PMid:23887752 PMCid:PMC4031861

Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. Sepse: um problema de saúde pública. Instituto Latino-Americano para Estudos da Sepse. [Internet]. Brasília: CFM; 2015. [citado em 2018 Jan 04]. Disponível em: http://www.ilas.org.br/assets/arquivos/upload/Livro-ILAS(Sepse-CFM-ILAS).pdf

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5.ed. São Paulo: Atlas; 2010.

Richardson RJ. Pesquisa social: métodos e técnicas. 4.ed. São Paulo: Atlas; 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Aprovar as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. [Internet]. Brasília, DF; 2012. [citado em 2017 Out 3]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Instituto Latino Americano de Sepse. Implementação de protocolo gerenciado de sepse protocolo clínico: Atendimento ao paciente adulto com sepse / choque séptico. [Internet]. 2017. [citado em 2017 Dez 20]. Disponível em: http://www.ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/protocolo-de-tratamento.pdf

Kleinpell R, Aitken L, Schorr CA. Implications of the new international sepsis guidelines for nunsing care. Am J Crit Care. [Internet]. 2013; 22(3); [citado em 2017 Dez 26]. Disponível em: http://ajcc.aacnjournals.org/content/22/3/212.full

https://doi.org/10.4037/ajcc2013158

PMid:23635930

Dellinger RP, Levy MM, Rhodes A, Annane D, Gerlach H, Opal SM, et al. Campanha de sobrevivência à sepse: Diretrizes internacionais para tratamento de sepse grave e choque séptico: 2012. Crit Care Med. [Internet]. 2013; 41(2); [citado em 2017 Dez 28]. Disponível em: http://www.survivingsepsis.org/SiteCollectionDocuments/Guidelines-Portuguese.pdf

Aitken LM, et al. Nursing considerations to complement the Surviving Sepsis Campaign guidelines. Crit Care Med. [Internet]. 2011; 39(7); [citado em 2017 Dez 26]. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21685741

https://doi.org/10.1097/CCM.0b013e31821867cc

PMid:21685741

Machado, FR, et al. Chegando a um consenso: vantagens e desvantagens do Sepsis 3 considerando países de recursos limitados. Rev bras ter intensiva. [Internet]. 2016; 28(4). [citado em 2018 Jan 18]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-507X2016000400361&script=sci_arttext

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)