Epidemiological profile of in-house contacts of leprosy cases in a brazilian hypertendemic capital / Perfil epidemiológico dos contatos intradomiciliares de casos de hanseníase em capital hiperendêmica no Brasil

Main Article Content

Yara Nayá Lopes de Andrade Goiabeira
http://orcid.org/0000-0002-8982-9549
Manuelle Alves Mendonça
Isaura Letícia Tavares Palmeira Rolim
Dorlene Maria Cardoso de Aquino
Leonardo Hunaldo dos Santos
Vanessa Moreira da Silva Soeiro

Resumo

Objetivo: Avaliar a situação dos contatos intradomiciliares dos casos de hanseníase notificados no ano de 2012 em São Luis - MA. Métodos: Estudo quantitativo-descritivo-transversal, com coleta de dados utilizando-se instrumento estruturado. Resultados: A maioria dos contatos intradomiciliares eram mulheres (51,87%), idade entre 0 e 20 anos (40,29%), parentesco consanguíneo de 1º grau (54,92%), forma dimorfa (59,78%) e multibacilares (75,53%). Do total, 1880 (67,96%) não realizaram o exame dermatoneurológico. Entre os examinados, houve maior frequência no distrito Bequimão (28,48%), 59,82% eram mulheres, idade entre0 a20 anos (44,77%). Ao exame, 91,27% apresentou-se normal. Dentre os suspeitos, 36,73% tinham hanseníase, 58,21% possuíam cicatriz da 1ª dose da BCG e 59,98% foram encaminhados a vacinação. A prevalência da doença entre os contatos foi de 1,62%. As ações da vigilância de contatos classificaram-se como precárias em São Luis. Conclusão: A maioria dos contatos registrados não foi examinada, evidenciando necessidade de fortificação das ações da vigilância no município.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Goiabeira YNL de A, Mendonça MA, Rolim ILTP, de Aquino DMC, dos Santos LH, Soeiro VM da S. Epidemiological profile of in-house contacts of leprosy cases in a brazilian hypertendemic capital / Perfil epidemiológico dos contatos intradomiciliares de casos de hanseníase em capital hiperendêmica no Brasil. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de julho de 2019 [citado 15º de agosto de 2022];11(4):873-9. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/6696
Seção
Research
Biografia do Autor

Yara Nayá Lopes de Andrade Goiabeira, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Mestra em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA. Graduada pela Universidade do Estado do Amazonas-UEA. Especialista em Unidade de Terapia Intensiva Adulto. Atua nas Linhas de Pesquisa: Epidemiologia das Doenças Transmissíveis e Tecnologias em Sistematização da Assistência de Enfermagem. Atua como parte do Corpo Editorial da Revista Inespo. Consultora Ad hoc da Fundação de Aparo à Pesquisa do Estado do Amazonas - FAPEAM. Suas produções e interesses profissionais e em pesquisa estão voltados principalmente para os temas referente aos cuidados de Enfermagem, Saúde Pública, promoção da saúde, educação em saúde, doenças transmissíveis e às classificação de diagnósticos, intervenções e resultados de enfermagem (NANDA, NIC e NOC).

Manuelle Alves Mendonça, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Enfermeira. Graduada pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA.

Isaura Letícia Tavares Palmeira Rolim, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2002), e em Teologia (2017) pela UNIGRAN, mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2005) e doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (2008). Atualmente é Professor Adjunto IV da Universidade Federal do Maranhão, desenvolve atividades de ensino nos cursos de Graduação e de Pós-Graduação em Enfermagem da UFMA, Coordena o Mestrado Profissional da Rede Nordeste em Saúde da Família - RENASF, na Nucleadora UFMA. Desenvolve pesquisa nas áreas do Cuidado de Enfermagem, Doenças Transmissíveis, Sistemas de Linguagem Padronizadas e Processo de Enfermagem. É membro revisor de periódicos de Enfermagem. Membro da NANDA-I desde 2016 e da ABEn desde 2000.

Dorlene Maria Cardoso de Aquino, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão, aperfeiçoamento em Enfermagem Pediátrica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialização em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da FIOCRUZ-RJ, mestrado em Saúde e Ambiente pela Universidade Federal do Maranhão e doutorado em Patologia Humana pela Universidade Federal da Bahia. Atualmente é professor de 3.º grau - Associado 1, Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Maranhão. Docente do Programa de Pós-graduação em Saúde do Adulto e da Criança (Mestrado), do Mestrado Acadêmico em Enfermagem e do Mestrado Profissional em Saúde da Família. Coordenadora do Comitê de Ética em Pesquisa do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão. Pró-reitora de Extensão, Cultura e Empreendedorismo da Universidade Federal do Maranhão. Membro da Associação Brasileira de Enfermagem e da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Tem experiência na área de Enfermagem em Doenças Transmissíveis, com ênfase em hanseníase e leishmaniose. Membro do Núcleo de Pesquisa "Epidemiologia das Doenças Transmissíveis" 

Leonardo Hunaldo dos Santos, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Professor Adjunto II do curso de Licenciatura em Ciências Naturais com ênfase em Biologia da Universidade Federal do Maranhão, Campus de Imperatriz, onde também coordena o Projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid). É Professor convidado do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFMA (São Luís-MA). É Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Mestre e Doutor em Zootecnia com ênfase em Melhoramento Genético Animal pela Universidade Federal do Ceará. Possui experiência em Análise Estatística Aplicada. Atua em projetos de pesquisa nos seguintes temas: Genética, Melhoramento Genético, Estatística, Planejamento Experimental, Educação, Engenharia de Alimentos e Enfermagem/Saúde Pública. Possui experiência em Ensino, tendo atuado nos níveis Fundamental, Pré-Vestibular, Técnico e Superior.

Vanessa Moreira da Silva Soeiro, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) com habilitação em Licenciatura Plena. Especialista em Metodologia do Ensino Superior pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Mestra em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

Plum Analytics

Referências

Sales AM. Controle da Hanseníase: detecção precoce através do exame de contatos e avaliação de tratamento dos pacientes submetidos a 12 doses da poliquimioterapia (PQT/OMS) [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2011. 2. World Health Organization. Global Leprosy update, 2014: need for early case detection. WklyEpidemiol Rec. 2015;90(36):461-74. 3. OMS. Organização Mundial da Saúde. Estratégia mundial de eliminação da lepra 2016-2020: Acelerar a ação para um mundo sem lepra. 2016. 4. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. Situação epidemiológica da hanseníase no Brasil: análise de indicadores selecionados na última década e desafios para eliminação. Bol Epidemiol. 2013; 44(11): 1-12. 5. Pacheco MAB, Aires MLL, Seixas ES. Prevalência e controle de hanseníase: pesquisa em uma ocupação urbana de São Luís, Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade [Internet]. 2013 nov 25; [Citado em 2017 jul 2]; 9(30): 23-30. Available at: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/690. 6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o controle de hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. 7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Vigilância em Saúde: Dengue, Esquistossomose, Hanseníase, Malária, Tracoma e Tuberculose. Brasília: 2008. 8. Santos AS, Castro DS, Falqueto A. Fatores de risco para transmissão da Hanseníase. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2008 Nov [cited 2017 jun 18]; 61(spe): 738-743. Available at: http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672008000700014&lng=en. 9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [recurso eletrônico]. Brasília: 2016. 10. Oliveira BFA, Ignotti E, Hartwuig SV, Scatena JH, Andrade VLG. Acréscimo na detecção de casos de hanseníase como resultado da vigilância de comunicantes em 15 municípios considerados prioritários do estado do Mato Grosso, Brasil. Revista Espaço para a Saúde. 2007; 8(2): 11-9. 11. SÃO LUIS. Prefeitura de São Luís. Secretaria Municipal da Saúde- SEMUS. São Luis, 2010 [acesso em: 2016 jan 09]. Available at: : http:// www.saoluis.ma.gov.br/subportal_subpagina.asp?site=1266. 12. Peixoto BKS, Figueiredo IA, Caldas AJM, Correa RGCF, Aquino DMC. Aspectos epidemiológicos dos contatos de hanseníase no município de São Luís-Ma. Hansenol Int (online). 2011 [acesso em 2017 jun 08]; 36(1): 23-30. 13. Düppre NC, Camacho LAB, Sales AM, Illarramendi X, Nery JAC, Sampaio EP et al. Impact of PGL-I seropositivity on the protective effect of BCG vaccination among leprosy contacts: a cohort study. PLoS Negl Trop Dis. Califórnia, 2012; 6(6):e1711. 14. Trindade, LC. Avaliação da ocorrência de hanseníase entre os contatos intradomiciliares de pacientes diagnosticados em 2012 no município de João Pessoa/PB (dissertação). São Paulo: Universidade Católica de Santos, Programa de Mestrado em Saúde Coletiva; 2015. 15. IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E PESQUISAS. Estimativas da população residente em São Luís – Censo demográfico de 2010 [acesso em 2017 mar 25]. Available at: http://www.cidades.ibge. gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=2111300. 16. Lobato DC, Neves DCO, Xavier MB. Avaliação das ações da vigilância de contatos domiciliares de pacientes com hanseníase no Município de Igarapé-Açu, Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude [Internet]. 2016 Mar [acesso em 2017 jul 03]; 7(1): 45-53. Available at: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S2176-62232016000100006. 17. Andrade ARC, Grossi MAF, Bührer-Sékula S, Antunes CMF. Soroprevalência do teste ML Flow em contatos de hanseníase de Minas Gerais. Rev Soc Bras Med Trop. Uberaba, 2008; 41(Suplemento II):56-59. 18. Dessunti EM, Soubhia Z, Alves E, Aranda CM, Barro MPAA. Hanseníase: o controle dos contatos no município de Londrina-PR em um período de dez anos. Rev Bras Enferm. Brasília, 2008; 61(spe): p. 689-93, Brasília 2008.

Received in: 31/07/2017 Required revisions: 12/09/2017 Approved in: 03/11/2017 Published in: 01/07/2019

Corresponding author Yara Nayá Lopes de Andrade Address: Av: Babaculândia, Nº 679, Bairro: Vila Lobão, Maranhão, Brazil E-mail address: yara_naya@hotmail.com Telephone numbers: +55 (99) 9 8254-6600

Disclosure: The authors claim

to have no conflict of interest.

Durães SMB, Guedes LS, Cunha MD, Magnanini MMF, Oliveira MLWDR. Estudo epidemiológico de 107 focos familiares de hanseníase no município de Duque de Caxias - Rio de Janeiro, Brasil. An Bras Dermatol. 2010; 85(3):339-45. 20. Leite KKC, Costa JML, Barral A, Caldas AJM, Corrêa RGCF, Aquino DMC. Perfil epidemiológico dos contatos de casos de hanseníase em área hiperendêmica na Amazônia do Maranhão. Cad Saude Colet. 2009; 17: 235-249. 21. Vieira GD, Aragoso I, Carvalho RMB, Sousa CM. Hanseníase em Rondônia: incidência e características dos casos notificados, 2001 a 2012. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2014 Jun [acesso 2017 jun 4]; 23(2): 269-275. Available at: http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1679-49742014000200008&lng=pt. 22. Camello RS. Detecção de casos novos de hanseníase através do exame de contatos no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Hansen Int. 2006; 31(2):15-9. 23. Temoteo RCA, Souza MM, Farias MCAD, Abreu LC, Martins Netto E., Hanseníase: avaliação em contatos intradomiciliares. ABCS Health Sci. 2013; 38(3): 133-141 24. Araújo, GR. Casos de hanseníase entre contatos de pacientes atendidos em um hospital de universitário em São Luís–MA (monografia). São Luis (MA): Universidade Federal do Maranhão; 2011. 25. Silva MS, Silva EP, Monteiro FF, Teles SF. Perfil clínico-epidemiológico da hanseníase no estado do Acre: estudo retrospectivo. Hansen Int. 2014; 39 (2): p. 19-26. 26. Oliveira, LA. Hanseníase entre contatos domiciliares no município de Maracaçumé-MA (dissertação). São Luís (MA): Universidade Federal do Maranhão; 2014. 27. Richardus RA, Alam K, Pahan D, Feenstra SG, Geluk A, Richardus JH.

The combined effect of chemoprophylaxis with single dose rifampicin and immunoprophylaxis with BCG to prevent leprosy in contacts of newly diagnosed leprosy cases: a cluster randomized controlled trial (MALTALEP study). BMC Infect Dis. 2013 Oct 3; 13: 456. 28. Matos, BM. Avaliação Epidemiológica dos Contatos de Hansenianos Tratados na Unidade de Saúde de Maruípe entre 2005 e 2010 (monografia). Vitória (ES): Faculdade Estácio de Sá; 2011. 29. Smith WC, Aerts A. Role of contact tracing and prevention strategies in the interruption of leprosy transmission. Lepr Rev. 2014; 85:2-17.